Ambiente na Goldman Sachs "é mais tóxico e destrutivo do que nunca"

| Economia

|

Greg Smith era um dos diretores-executivos da Goldman Sachs e responsável por negócios na Europa, no Médio Oriente e em África. Hoje, numa carta publicada no The New York Times, arrasa a companhia para a qual trabalhou durante 12 anos e acusa-a de ter um único objetivo: fazer dinheiro com os seus clientes, sem ter quaisquer preocupações em os ajudar.

Sob o título "Por que vou deixar a Goldman Sachs", Greg Smith apresenta uma imagem muito negativa da empresa, acusando os seus responsáveis de terem abandonado uma cultura de rigor e confiança, para se concentrarem unicamente nos lucros e na forma mais fácil de conseguir dinheiro: "Fico doente de ver como as pessoas falam abertamente em explorar os seus clientes. Nos últimos 12 meses, vi cinco diferentes diretores referirem-se aos seus próprios clientes como 'marionetas', às vezes até em correio eletrónico interno".

Smith apresenta três formas de alguém de subir rapidamente na hierarquia da empresa: convencer os clientes a investir em ações de que a empresa se quer ver livre, porque não são suficientemente lucrativas; convencer os clientes a investir em produtos que tragam o máximo de lucro para a Goldman Sachs; sentar-se num lugar onde se pode transacionar um produto ilíquido e opaco com um acrónimo de três letras. "Hoje muitos deste líderes tem uma cultura de Goldman Sachs igual a zero por cento", escreve Smith.

O ex-diretor da Godman Sachs termina a carta dizendo que espera que este seu alerta possa ser "uma chamada de despertar" para o conselho de administração, para que torne a trazer os clientes para o centro do negócio da empresa. "Cortem pela raiz as pessoas moralmente falidas, sem se importarem quanto dinheiro é que elas trazem para a empresa. As pessoas que só se interessam em fazer dinheiro não sustentarão esta empresa - ou a confiança dos seus clientes - por muito mais tempo".


A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.