Ameaça de nova crise alimentar mundial no horizonte

| Economia

|

O receio de que esteja iminente uma repetição da crise alimentar de 2007-2008 está a crescer a nível global. No mês passado, os preços dos alimentos aumentaram seis por cento nos mercados mundiais e os importadores estão a adquirir sofregamente a colheita de cereais dos Estados Unidos o maior exportador mundial deste tipo de produtos. Uma das principais razões está no facto de a produção dos EUA ter encolhido este ano, drasticamente, devido à seca, fazendo os preços do milho atingir novos recordes.

 Um relatório governamental divulgado esta sexta-feira revela que um sexto da colheita de milho dos Estados Unidos ficou destruída em apenas um mês devido à pior seca dos últimos cinquenta anos.

O departamento da Agricultura dos EUA reviu em baixa as previsões para a colheita deste ano, diminuindo em 16,9 por cento as estimativas de julho.

No que respeita à colheita de soja, as previsões também foram revistas em baixa, tendo havido uma redução de 11,7 por cento em relação à estimativa feita no mês passado.

Estes números representam uma quebra, em relação a 2011, de 13 por cento à produção de milho e de 12 por cento, no que respeita à soja.

A presente conjuntura já levou a subidas de entre 25 a 50 por cento dos preços do trigo, do milho e da soja. Sendo que no caso dos últimos dois cereais, os preços já ultrapassaram os da crise de 2007-2008.
"El Nino" piora situação
A somar-se às preocupações está uma previsão do serviço meteorológico do Japão, segundo a qual o fenómeno meteorológico conhecido por El Nino já se começou a produzir e deverá manter-se pelo menos até ao inverno, o que faz supor a continuação de condições meteorologicas desfavoráveis até o final do ano.

Estes dados aguçaram o apetite dos especuladores nos mercados mundiais de alimentos que funcionam como os de qualquer outro produto de consumo. O relatório do governo americano fez com que o preço de referencia dos futuros sobre o milho subisse imediatamente mais de 3 por cento, atingindo um pico recorde de $8.4375 dólares por alqueire.

Face a este panorama, a agência alimentar da ONU está a pôr em guarda os governos para que evitem o tipo de práticas comerciais que, em 2008 contribuíram para agravar a crise.

“Existe o potencial para que a situação se desenvolva da mesma forma que em 2007/2008”, disse à Reuters o economista e analista da Organização da Alimentação e Agricultura Abdolreza Abbasian.
ONU adverte contra repetição das "más políticas"
“Espera-se que desta vez não se venham a produzir más políticas e intervenção nos mercados através de restrições” disse Abassian “ se isso não acontecer, não assistiremos a uma situação tão séria como a de 2007/2008. Mas se essas políticas se repetirem, tudo é possível”.

Recorde-se que a crise de 2007/ 2008 foi provocada por uma mistura de fatores que incluíam o alto preço do petróleo, a cada vez maior utilização de biocombustíveis, o mau tempo e uma série de políticas de exportação restritivas, proibições à exportação e aumento das tarifas, que fizeram disparar os preços dos alimentos e estiveram na origem de motins em mais de 30 países, do Bangladesh ao Haiti.

Segundo Abassian, desta vez, a existência de stocks abundantes de arroz, a crise económica mundial e o facto o preço do petróleo estar mais baixo do que em 2007/2008 pode ajudar a evitar uma subida drástica do preço dos alimentos.

No entanto já há alguns sinais alarmantes, que incluem indícios de que alguns governos estão antecipadamente a adquirir e a armazenar stocks invulgarmente grandes de cereais numa espécie de “açambarcamento” a nível estatal.

As exportações de milho dos EUA na última semana atingiram o segundo pico mais alto dos últimos dez meses, encontrando-se incluída neste número uma operação de aquisição única, quase recorde, feita por importadores do México, que é o segundo maior importador a nível mundial.
Ressurge o debate “alimentos vs combustíveis”
O perigo de uma repetição da crise alimentar, renovou o debate sobre a produção de biocombustíveis que consome uma parte significativa da produção de milho. No caso dos EUA, cerca de 40 por cento da colheita destina-se habitualmente à produção de etanol.

O diretor-geral da Agencia das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, José Graziano da Silva, apelou a uma “suspensão temporária, com efeitos imediatos” do mandato federal dos EUA, que obriga a as companhias americanas de combustível a garantirem que, este ano, 9 por cento das suas reservas sejam compostas de etanol.

“Uma grande parte da colheita já de si reduzida vai ser reclamada pela produção de biocombustíveis, para cumprir com os mandatos federais a esse respeito, o que vai deixar ainda menos [milho] para os mercados de alimentação de pessoas e gado” escreveu Graziano da Silva no jornal Financial Times.

“Uma suspensão imediata, temporária desse mandato daria algum descanso ao mercado e permitiria que uma porção maior da colheita fosse encaminhada para utilizações alimentares e para o gado”.

O diretor – geral da Agencia das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, não é o único a pressionar os Estados Unidos para que afrouxem as quotas de integração de etanol.

Esta semana, 25 senadores dos EUA pediram à  Agência de Proteção Ambiental, para que ajuste o mandato, e o executivo-chefe do gigante de produção de cereais Cargill disse que deveria ser o mercado a ditar a utilização de biocombustíveis.

Os primeiros a fazer apelos neste sentido tinham sido os criadores de gado americanos, que são forçados a licitar contra os produtores de biocombustíveis e assim têm de pagar mais para alimentar os seus animais.

No entanto, a Agência de Proteção Ambiental ainda não recebeu nenhum requerimento oficial para mudar as regras, o qual, ao abrigo da lei, só poderia ser feito por um governador de Estado, ou por uma das companhias que se dedicam à mistura de combustíveis.

Tópicos:

Estados Unidos, alimentos, biocombustíveis, crise, seca, Cereais,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Entrevista Olhar o Mundo a um dos autores e investigadores militares mais reconhecidos do mundo anglo-saxónico.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.