Antram ameaça abastecer em Espanha se compensações para subida de ISP forem insuficientes

| Economia

O presidente da Associação dos Transportadores de Mercadorias (Antram), Gustavo Paulo Duarte, defende que a única hipótese é abastecer em Espanha, se as empresas não forem "devidamente compensadas" pelo aumento de impostos sobre os combustíveis.

"Exigimos ter medidas compensatórias, porque este aumento [do Imposto sobre Produtos Petrolíferos] representa um custo grande demais para as empresas", disse à Lusa o responsável, reagindo à proposta do Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), entregue hoje na Assembleia da República.

Caso contrário, acrescentou, "Espanha será a opção" na hora de abastecer os veículos.

Em declarações à Lusa, o presidente da Antram duvida que as contrapartidas que serão dadas às empresas consigam compensar o valor do aumento do ISP, de seis cêntimos por litro no gasóleo e na gasolina, lamentando que as empresas do setor do transporte de mercadorias, "a base do setor económico", não sejam ouvidas pelos sucessivos governos.

O Governo admitiu hoje atribuir a empresas do setor dos transportes benefícios fiscais que compensem de algum modo os encargos que terão de suportar devido ao aumento em seis cêntimos por litro de gasolina e de gasóleo.

Esta informação foi hoje avançada em conferência de imprensa pelo Ministro das Finanças, Mário Centeno, e explicada pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, que afirmou que a proposta do Orçamento do Estado hoje entregue no Parlamento prevê uma autorização legislativa precisamente nesse sentido.

"É preciso tempo para afinar pormenores do regime de benefício fiscal que compense os agentes económicos pelo aumento no imposto sobre os combustíveis, mas que também não se torne excessivamente oneroso para o erário público", afirmou Fernando Rocha Andrade, aos jornalistas.

Tópicos:

Transportadores,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    Em entrevista à RTP, Santana Lopes defendeu que o estado de graça do Governo de esquerda acabou.

    Entrevistado na RTP, Rui Rio não afastou a possibilidade de um bloco central com o PS em condições extraordinárias.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.