Associação de professores repudia proposta do Governo para rever concurso de docentes

| Economia

A associação de professores Plataforma CUT exprimiu hoje a sua "absoluta rejeição" pelas propostas do Governo de revisão do decreto-lei que regula os concursos dos professores, acusando o executivo de ser incapaz de acabar com a precariedade docente.

Os sindicatos começaram esta quarta-feira a ronda negocial com o Ministério da Educação (ME) para rever o regime de concurso de colocação de professores.

Segundo as estruturas que se reuniram com o ME, o Governo propôs uma vinculação extraordinária para os professores com 20 anos de serviço, e a manutenção da norma-travão, mas com alterações.

Em comunicado, a Plataforma CUT ("Concurso Único para Todos") "lamenta que esta equipa ministerial insista, uma vez mais, na intenção de proceder à vinculação extraordinária de docentes sem recurso à graduação profissional como critério único de ordenação, impondo requisitos absurdos que deixam de fora da vinculação milhares de professores".

Na nota, intitulada "O inferno existe mesmo", a Plataforma CUT considera que a proposta "revela a fraqueza da vontade do Governo de pôr termo efetivo à precariedade docente, desconsiderando, de forma reiterada e grave, o direito legal e o ilustre serviço público de educação que os professores contratados diariamente levam a cabo".

"A perversa, incompreensível, injusta e injustificada manutenção do mecanismo de `renovação de contrato` perpetua a arbitrariedade e a discriminação no acesso ao emprego público em funções docentes em Portugal, na medida em que, na fase de concurso, não é público se o candidato concorre a um lugar de contrato anual ou plurianual", consideram os professores.

A plataforma critica a exigência de um requisito de 7.300 dias de serviço, o que diz representar, em muitos casos, "mais de 30 anos de trabalho docente", defendendo que o requisito único de vinculação deveria ser 1.095 dias de serviço letivo, uma medida que seria "razoável, de tardia justiça, mas de elementar honestidade política".

Tópicos:

CUT,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.