Boeing 787 Dreamliner aterra em Tóquio após primeiro voo de teste no Japão

| Economia

Um avião Boeing 787 Dreamliner, da All Nippon Airways (ANA), com dirigentes da fabricante e da transportadora a bordo, aterrou, esta manhã, em Tóquio após cumprir o primeiro voo de teste no Japão, anunciou a ANA.

O voo de teste com um aparelho da ANA, a maior cliente dos Boeing 787 Dreamliner, ocorreu depois de, este sábado, a Ethiopian Airlines ter sido a primeira transportadora a `testar` a aeronave, estabelecendo uma ligação entre Addis Abeba e Nairobi, três meses depois de problemas nas baterias terem obrigado a frota mundial dos 787 a ficar em terra.

O presidente da ANA, Shinichiro Ito, e o chefe da unidade de aviação civil da Boeing, Ray Conner, seguiam a bordo do avião que realizou um voo de cerca de duas horas.

A ANA, que detém a maior frota mundial de 787 Dreamliner, num total de 17, e a Japan Airlines (JAL), que conta com sete, começaram a substituir as baterias com defeito, no início desta semana, estimando que os seus aviões possam voltar a voar já em junho.

O reinício das operações de voo dos aviões Boeing 787 Dreamliner foi aprovado, esta sexta-feira, pelo Ministério dos Transportes do Japão, depois de a Autoridade Federal de Aviação dos Estados Unidos ter autorizado os 787 a voarem novamente, dando `luz verde` às alterações nas baterias apresentadas pelo fabricante norte-americano.

O problema com os modelos 787 remonta ao início de janeiro, quando foram detetadas várias falhas por sobreaquecimento nas baterias das aeronaves, o que provocou o fim das operações dos quase 50 novos aparelhos da Boeing em todo o mundo.

Tópicos:

Addis Abeba, Boeing Dreamliner All Nippon Airways,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.