Câmara de Paços de Ferreira faz auditoria a empresa municipal com 25 milhões de euros de dívidas

| Economia

A gestão socialista da Câmara de Paços de Ferreira, eleita em outubro, vai avançar com uma auditoria à empresa municipal PFR Invest para avaliar o endividamento líquido que poderá ultrapassar os 25 milhões de euros.

"A situação é muito grave e queremos avaliar a fiabilidade dos números que têm sido revelados", disse hoje à Lusa o vice-presidente da Câmara, Paulo Sérgio Barbosa.

O autarca referia-se aos indicadores inscritos este mês no Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses, preparado pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, que reportam dados de 2012.

Segundo o documento consultado pela Lusa, aquela empresa municipal de Paços de Ferreira ocupava o oitavo lugar, em termos nacionais, no indicador que sinaliza o endividamento líquido, com um crescimento de 14% face a 2011.

No mesmo anuário, constata-se ainda que a PFR Invest apresenta um passivo elegível (dívidas) de quase 39 milhões de euros, o que a coloca em nono lugar na lista nacional, com um aumento de 8,6 milhões de euros desde 2009.

"Nós chegámos à câmara há poucas semanas, mas estamos muito preocupados com estes indicadores, porque todos os dias há situações que se descobrem", comentou o autarca.

Paulo Sérgio Barbosa admitiu que a pressão da banca é muito elevada, exigindo garantias reais.

O vice-presidente adiantou que a gestão socialista só tomará uma posição mais substantiva sobre a PFR quando forem avaliados, no âmbito da auditoria, "todos os contornos da situação".

Para já, disse, está a ser preparada a substituição dos órgãos sociais da empresa, processo que, previu, deverá estar concluído dentro de algumas semanas.

A PFR Invest foi a empresa criada na anterior gestão social-democrata para trabalhar na captação de investimento, tendo-se destacado na dinamização das zonas de acolhimento empresarial e apoio ao investimento.

 

 

Tópicos:

Câa,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Hotéis de luxo e restaurantes de autor crescem ao lado de quem vive sem água ou luz. A Comporta tem um novo proprietário que quer transformar aquela zona num local para estrangeiros ricos.

    O Parque das Nações vai receber as duas semifinais e a final nos dias 8, 10 e 12 de maio do próximo ano. Já o festival português vai decorrer em Guimarães.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.