Correia de Campos promete ser no CES "facilitador e gerador de consensos"

| Economia

O novo presidente do Conselho Económico e Social (CES), Correia de Campos, disse hoje que será, à frente do órgão, um "facilitador e gerador de consensos", procurando sempre "resultados que façam mover o país".

Falando na Assembleia da República, onde hoje tomou posse, Correia de Campos sinalizou que o presidente do CES "é o presidente de um conselho plural", que responde sempre perante os conselheiros que têm assento no órgão e "perante os que o elegeram", os deputados.

O papel do presidente, continuou o antigo ministro socialista, passa por, "na matéria económica e social e por maioria de razão na concertação", funcionar como um "facilitador e gerador de consensos e resultados que façam mover o país".

O CES, vincou Correia de Campos, tem "exercido e demonstrado a sua capacidade crítica das políticas económicas que por lei analisa e dos seus resultados", não se coibindo de "aconselhar os governos sobre esperanças e enganos" na sua atuação.

E concretizou, ainda sobre o papel do CES: "Constitui, pela sua composição e experiência acumulada, um recurso de inestimável valor para a análise do desempenho da economia e sobretudo para abrir o conhecimento do que se prospetiva, no difícil contexto de interdependências em que vivemos, dentro e fora da Europa".

Antes, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, elogiou Correia de Campos, homem de "inegável competência" e um "servidor público como há poucos".

"Se agora teve o apoio de dois terços dos votos expressos em urna, estou certo que no final do mandato sairá com o apoio praticamente unânime dos deputados e parceiros sociais", realçou Ferro Rodrigues.

O CES, continuou Ferro Rodrigues, "é o palco por excelência do diálogo social", e hoje Portugal tem "vários desafios que se podem resumir numa palavra: qualificação. Qualificação das empresas, dos territórios", enumerou, antes de desejar "bom trabalho e boa sorte" ao novo presidente da entidade.

O antigo ministro socialista Correia de Campos foi eleito na semana passada para o cargo de presidente do CES, com 146 votos favoráveis entre os 219 deputados votantes, quando precisava de dois terços de aprovações.

Correia de Campos, que falhou uma primeira eleição para o cargo a 20 de julho, conseguiu agora assegurar o número mínimo de votos necessários - se tivesse obtido 145 votos, ou seja, menos um, teria voltado a não ser eleito.

O CES é um órgão de consulta e concertação no domínio da política económica e social do país.

No CES têm assento, por exemplo, o Governo e organizações representativas dos trabalhadores e dos patrões.

Tópicos:

CES Correia Campos, CES Ferro,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.