Descontentamento dos passageiros reina no aeroporto do Porto

| Economia
Descontentamento dos passageiros reina no aeroporto do Porto

A ver: Descontentamento dos passageiros reina no aeroporto do Porto

Fotografia: Hugo Correia, RTP

A operação da TAP ao terceiro dia de paralisação é semelhante à verificada nos primeiros dois dias. A companhia revela estar a realizar 70 por cento dos voos programados para este domingo. No aeroporto de Lisboa, foram cancelados cinco voos até às 10h00. No aeroporto do Porto, a situação permanece mais complicada com pelo menos nove aviões a terem ficado em terra.

A Transportadora Aérea Portuguesa mostra-se otimista em relação à operação prevista para este domingo.
 
"A TAP recebeu manifestação de vários pilotos de que estariam disponíveis para trabalhar durante este período. Com base nesta manifestação de disponibilidade, sabemos que podemos contar com tripulações para realizar cerca de 120 voos", explicou André Soares, porta-voz da companhia.
 
"Não é uma garantia, mas é a projeção que fazemos com algum realismo para o dia de hoje", acrescentou o porta-voz. Para além destes 120 voos, a companhia acredita que poderá fazer mais viagens com pilotos que se apresentem ao trabalho. 
Aeroporto do Porto
Pelo terceiro dia consecutivo, é no aeroporto Francisco Sá Carneiro que a situação permanece mais complicada. A equipa da RTP no local apurou que pelo menos nove voos foram cancelados até às 10h00, tendo havido quatro aviões da transportadora aérea portuguesa a levantar voo. Um número superior ao verificado no mesmo período do dia de sábado.
 
Os voos realizados destinam-se às cidades de Barcelona, Milão, Genebra e Bruxelas. Para outros destinos europeus, para Lisboa e para o Brasil, vários voos têm sido cancelados, motivando a revolta e o desespero de muitos passageiros.
 
"É inadmissível", classifica uma passageira com destino a Paris. "Não dizem se vamos, se ficamos. Nada. Não nos dizem nada", refere a cliente da companhia que chegou ao aeroporto por volta das 5h00, para apanhar um voo que deveria sair antes das 7h00.
 
"Tivemos de fazer o check-in, ir lá para baixo, esperar à frente da porta para entrar. E depois dizem-nos que foi anulado. Tivemos de ir buscar as malas e viemos para a fila. Desde essa hora estamos aqui, à espera que se decidam a dizer-nos alguma coisa ou resolver o nosso problema", explicou.

A passageira explicava a situação à equipa da RTP perto das 11h00 - seis horas depois de ter chegado ao aeroporto.
Para o Rio de Janeiro, via Lisboa
Um dos voos cancelados este domingo tinha como destino o Rio de Janeiro. O voo tinha já sido cancelado por diversas vezes, apurou a RTP.
 
Como alternativa, a TAP utilizou autocarros para transportar os passageiros para Lisboa, onde deverão apanhar o voo com destino ao Rio de Janeiro. O voo deverá partir do aeroporto da Portela ao início da tarde, uma infra-estrutura aeroportuária onde a situação permanece bem mais calma do que a norte.
Aeroporto de Lisboa
Na Portela, a reportagem da RTP verificou que a maioria dos passageiros que viram os seus voos cancelados deverão conseguir seguir viagem ainda durante este dia. 
 
No balcão de atendimento da TAP, a fila foi reduzida durante a manhã deste domingo. As soluções apresentadas pela companhia passam por voos com escala, o que implica viagens mais demoradas.
 

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.