Despedimentos inviabilizam "continuação do Público como jornal de referência"

| Economia
Despedimentos inviabilizam continuação do Público como jornal de referência

A ver: Despedimentos inviabilizam "continuação do Público como jornal de referência"

O jornal Público anunciou que vai despedir 48 trabalhadores, entre os quais 36 jornalistas - a Sonaecom apresentou a medida como necessária para reduzir os custos em 3,5 milhões de euros por ano.

O grupo a ser despedido corresponde a cerca de 25 por cento da redação. Todas as secções serão atingidas. Da lista de jornalistas a dispensar fazem parte alguns históricos do jornal.

No comunicado publicado na edição online do jornal, a administração fala de aposta estratégica no digital. Trabalhadores, administração e direção estiveram reunidos em plenário na redação em Lisboa e, no final, os trabalhadores mandataram os sindicatos para iniciar de imediato um processo de greve.

No comunicado conjunto do Conselho de Redação e Comissão de Trabalhadores, os profissionais dizem que este despedimento inviabiliza a continuidade do jornal como órgão de comunicação social de referência.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.