Despedimentos inviabilizam "continuação do Público como jornal de referência"

| Economia
Despedimentos inviabilizam continuação do Público como jornal de referência

A ver: Despedimentos inviabilizam "continuação do Público como jornal de referência"

O jornal Público anunciou que vai despedir 48 trabalhadores, entre os quais 36 jornalistas - a Sonaecom apresentou a medida como necessária para reduzir os custos em 3,5 milhões de euros por ano.

O grupo a ser despedido corresponde a cerca de 25 por cento da redação. Todas as secções serão atingidas. Da lista de jornalistas a dispensar fazem parte alguns históricos do jornal.

No comunicado publicado na edição online do jornal, a administração fala de aposta estratégica no digital. Trabalhadores, administração e direção estiveram reunidos em plenário na redação em Lisboa e, no final, os trabalhadores mandataram os sindicatos para iniciar de imediato um processo de greve.

No comunicado conjunto do Conselho de Redação e Comissão de Trabalhadores, os profissionais dizem que este despedimento inviabiliza a continuidade do jornal como órgão de comunicação social de referência.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.