É preciso acabar com "mania nacional dos salários dos ricos", afirma Alexandre Soares dos Santos

| Economia

O presidente do conselho de administração da Jerónimo Martins considerou hoje que é preciso acabar com "a mania nacional dos salários dos ricos" e defendeu um maior planeamento das empresas para aumentar a produtividade em Portugal.

Alexandre Soares dos Santos falava na conferência de imprensa de apresentação de resultados da Jerónimo Martins (JM), com o grupo a registar um aumento de 21,1 por cento do lucro no ano passado, face a 2010, para 340 milhões de euros.

No quarto trimestre, o resultado líquido caiu 2,9 por cento, para 85 milhões de euros face ao período homólogo de 2010, abaixo da média dos analistas contactados pela Lusa, que apontavam para um crescimento de 19 por cento.

Questionado pelos jornalistas sobre que conselhos é que poderia dar para aumentar a produtividade em Portugal, Alexandre Soares dos Santos afirmou: "Quando vemos a história económica do nosso país, vemos que há uma falta de planeamento muito grande".

Por isso, considerou o gestor, uma empresa que pretenda atingir determinado objetivo tem de "definir uma estratégia", acreditar no que pretende conseguir, fazer as correções necessárias e "acreditar naquilo que fez".

O segundo ponto "é que se acabe com esta mania nacional dos salários dos ricos, dos quadros", criticou Alexandre Soares dos Santos.

"Temos de ter políticas salariais onde as pessoas que trabalham sintam que o produto deste também vai para elas. Têm de haver políticas de remuneração", salientou o gestor.

Alexadre Soares dos Santos foi mais longe nas críticas e acusou aqueles que "chamam de reformas milionárias [as que recebem] quem andou toda a vida a descontar", mesmo que tenham pensões de quatro mil euros.

Essas pessoas, adiantou, "não andaram a roubar a ninguém", mas estão a receber aquilo que o Estado disse que tinham direito pelos descontos efetuados.

Além disso é preciso "deixar esta porcaria de populismos", numa alusão à questão do uso de transportes.

"Cada um viaje como quer. Porque é que um ministro tem de ir em económica [no avião]?", questionou.

O importante é que o Estado "use o dinheiro dos impostos a nosso favor", concluiu.

A informação mais vista

+ Em Foco

Entre 1999 e 2002 nasceram três novos bairros. Passadas duas décadas, muitos residentes dizem-se abandonados.

Entrevista da correspondente da RTP em França, Rosário Salgueiro.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.