Economia recupera no último trimestre de 2013 mas completa ano em perda

| Economia


A economia portuguesa cresceu 1,6 por cento no quarto trimestre de 2013, face ao mesmo período do ano anterior, invertendo a tendência de contração homóloga registada há 11 trimestres, dizem os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística. Ainda de acordo com o INE, no conjunto do ano de 2013, a economia registou uma queda de 1,4 por cento. É no entanto um número que revela franca melhoria face à queda anual de 3,2 por cento em 2012.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam a inversão da tendência de contração homóloga que vinha sendo registada há 11 trimestres. De acordo com a estimativa rápida do Produto Interno Bruto (PIB), este crescimento homólogo de 1,6 por cento no último trimestre de 2013 seguiu-se a uma redução de 0,9 por cento observada no trimestre anterior.

O INE justifica esta evolução com a recuperação da procura interna, "que apresentou um contributo positivo para a variação homóloga do PIB, o que não se verificava desde o quarto trimestre de 2010, refletindo principalmente o comportamento do consumo privado".

Acrescenta o INE que a procura externa líquida teve um contributo positivo "devido à aceleração das exportações de bens e serviços".

Comparativamente com o trimestre anterior, o PIB aumentou 0,5 por cento em termos reais entre outubro e dezembro do ano passado, tendo registado um crescimento em cadeia pelo terceiro trimestre consecutivo (+0,3 por cento no terceiro trimestre e +1,1 por cento no segundo trimestre de 2013).

Tópicos:

Economia, Estatística, INE, PIB, Recessão, Recuo,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.