Estado enterra mais 510 milhões de euros no buraco do BPN

| Economia
Estado enterra mais 510 milhões de euros no buraco do BPN

A ver: Estado enterra mais 510 milhões de euros no buraco do BPN

O Estado emprestou mais 510 milhões a duas empresas criadas pelo Governo para absorverem os ativos tóxicos do BPN. Estas empresas ficaram com o que restava do Banco Português de Negócios depois de ter sido vendido ao BIC.

De acordo com o relatório sobre as contas de 2013, as duas empresas públicas criados pelo Governo para absorverem os crédios tóxicos do BPN receberam no último ano um empréstimo superior a 500 milhões de euros. A Parvalorem teve direito a 283 milhões de euros e a Parups recebeu um empréstimo de 227 milhões. Quando é que o Estado vai reaver estes empréstimos é que ninguém sabe. Tempos houve em que o Governo pensou em entregar a gestão dos créditos do BPN a privados, já que o BIC não quis ficar com eles. Os números são divulgados pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental.

A informação mais vista

+ Em Foco

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam.

    Rosa Luxemburgo, "uma das melhores cabeças do socialismo internacional", foi assassinada há 100 anos.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.