Fisco prepara fiscalização à faturação certificada de 200 mil contribuintes

| Economia

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) está a informar 200 mil comerciantes da obrigatoriedade de programas de faturação certificados a partir de abril e já anunciou que 150 inspetores vão correr o país para fiscalizar os novos programas.

Estes programas de certificação, previstos no Plano Estratégico de Combate à Fraude e Evasão Fiscais e Aduaneiras, apresentado no final do ano passado como uma medida de reforço do combate à fraude fiscal e à economia paralela, são obrigatórios para os contribuintes com um volume de negócios superior a 100 mil euros.

O ministério das Finanças, em comunicado hoje divulgado, assume que os novos programas certificados vão garantir maior transparência no momento de pagamento de bens e serviços, nomeadamente no que diz respeito ao apuramento e liquidação de IVA, "impedindo a adulteração de faturas e dos consequentes registos contabilísticos".

A partir do próximo dia 1 de abril, os contribuintes com volume de negócios superior a 125 mil euros ficam obrigados legalmente a utilizar programas de faturação certificados e, a partir de 1 de janeiro de 2013, esta obrigação passa a incluir a generalidade dos contribuintes cujo volume de negócios exceda os cem mil euros.

"Durante o próximo mês de abril será desencadeada uma grande ação de fiscalização em todos os distritos do país, na qual participarão 150 inspetores da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT). Esta grande ação de inspeção, com a duração de três meses, terá como objetivo prioritário fiscalizar a utilização de programas de faturação certificados e o correto apuramento e liquidação de IVA por parte dos contribuintes", informa as Finanças naquele comunicado.

O ministério lembra ainda que a deteção de contribuintes em violação da lei pode determinar a instauração de processos-crime por fraude fiscal, se o agente económico usar programa de faturação que modifique os dados inicialmente registados, ou a aplicação de uma coima até 18.750 euros se utilizar programa não certificado.

"Uma repartição equitativa dos sacrifícios exige que todos sejam chamados a contribuir para o esforço de consolidação orçamental de acordo com a sua real capacidade contributiva. Esta ação de inspeção fiscal de grande envergadura demonstra que hoje existem os recursos necessários para fiscalizar o cumprimento da lei por parte de todos os contribuintes envolvidos, bem como os meios para detetar e punir as situações de ilícitos de natureza fiscal", conclui.

 

Tópicos:

Fraude Evasão Fiscais, Tributária,

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP agrupa as sondagens disponíveis e traça as tendências do eleitorado para a derradeira votação da eleição presidencial francesa.

    Em entrevista à RTP, o embaixador francês aborda o terrorismo, os populismos, os emigrantes e o interesse em Portugal.

      A Associação Adeptos dos Sonhos canalizava 90% do dinheiro recolhido em ações de caridade para uma empresa do namorado da presidente.

      Em entrevista à RTP, o Bispo de Leiria-Fátima diz acreditar que o Papa, em Fátima, vai sentir-se como um "peregrino no meio dos peregrinos.