Físico Michio Kaku espera que acelerador de partículas produza matéria negra

| Economia

O físico Michio Kaku, que vai estar pela primeira vez em Portugal este mês, disse em entrevista à Lusa esperar que o acelerador de partículas LHC permita produzir matéria negra para que os investigadores possam estudá-la.

A nona conferência QSP Summit, que se realiza a 12 de março na Exponor, Matosinhos, vai contar este ano com a participação do físico e futurista norte-americano Michio Kaku, responsável por várias obras de ciência e coautor da Teoria das Cordas, numa edição dedicada ao tema "The Future Trends".

Questionado sobre qual será o próximo passo para o CERN (Organização Europeia para a Física Nuclear), depois da descoberta do bosão de Higgs [partícula responsável pela criação de massa no Universo, também conhecida como a `partícula de Deus`], Michio Kaku considerou que será "encontrar superpartículas que estão previstas no modelo da Teoria das Cordas".

"É o que eu faço na vida [Teoria das Cordas] e sou pago para o fazer", acrescentou.

Esta é uma teoria que se baseia em pequenas cordas que vibram, de forma que cada vibração corresponde a uma partícula subatómica, combinando a gravidade com a teoria quântica.

A Teoria das Cordas, explicou, prevê a existência de altas e baixas frequências.

"Nós somos a mais baixa vibração da vibração das cordas. Tudo [o que existe] é como um elástico e os elásticos estão a vibrar numa baixa frequência. Isso é o nosso mundo, mas há altas frequências e pensamos que isso é a matéria negra", prosseguiu.

"Sabemos que a matéria negra existe. Vemos evidências de matéria negra em toda a parte, mas a matéria negra é invisível. Como é que podemos testar a matéria invisível? Com o acelerador de partículas esperamos produzir matéria negra no laboratório e estudá-la", salientou Michio Kaku.

"A Teoria das Cordas prevê a existência da matéria negra e ainda prevê a natureza da mesma", pelo que "esperamos iniciar o processo de procurar matéria negra quando o acelerador de partículas for ligado em março deste ano", adiantou.

O Grande Colisionador de Hadrões (LHC), o maior acelerador de partículas do mundo, vai voltar a funcionar este mês, com quase o dobro da energia da primeira fase de exploração, de acordo com o CERN, depois de uma paragem técnica de cerca de dois anos.

Questionado sobre quais são os seus argumentos para aposta em programas científicos como o CERN, onde a aplicação prática das experiências nem sempre são automaticamente óbvias, Michio Kaku apontou que em primeiro lugar, a ciência leva à criação de "produtos comerciais que mudem a vida" de todos.

E exemplificou: "Tal como aconteceu com o programa espacial que nos deu a revolução dos computadores, a monitorização do processo em foguetões levou a que os transístores se tornassem mais pequenos e é por isso que temos hoje a revolução dos computadores".

E o mesmo "acontece com o acelerador de partículas", acrescentou.

"Em segundo lugar, há as nossas eternas questões sobre a génesis [criação do mundo], sobre o que tudo significa, que são questões filosóficas. E é isso que tem a ver o acelerador de partículas: tenta recriar numa escala mínima a génesis. Estamos a falar em recriar o grande momento na história do Universo e isso é o seu nascimento", concluiu.

Tópicos:

Colisionador, Exponor, Michio Kaku Teoria, Teoria Cordas,

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

      Sem possibilidade de receber os ordenados em euros ou de pagar as contas em Portugal, muitos recorrem ao mercado negro para trocar dinheiro.

      É portuguesa a única equipa do mundo que faz o despiste genético de cancro do estômago. Os investigadores viram agora renovado o financiamento.