Fraudes com cartões aumentaram na Europa em 2012

| Economia

As fraudes com cartões bancários na Europa aumentaram em 2012 devido, principalmente, a um maior número de burlas na internet, segundo um relatório do Banco Central Europeu (BCE) publicado hoje.

Este estudo abrange os países que fazem parte do SEPA, espaço único de pagamentos em euros, ou seja os 28 da União Europeia (UE), Islândia, Liechtenstein, Mónaco, Noruega e Suíça.

"As fraudes com cartões bancários no seio do SEPA aumentaram em 2012 pela primeira vez desde 2008", constata o BCE no estudo.

O montante total das fraudes em 2012 foi avaliado em 1,33 mil milhões de euros, ou seja mais 14,8% que em 2011.

No entanto, este valor das fraudes de 2012 representa um decréscimo de 9,3% face ao nível de 2008, tendo as transações com cartões bancários aumentado 17% em 2012 comparativamente a 2008, sublinha ainda o BCE.

Quanto à parte de fraude no total das transações (de 3.500 mil milhões de euros), esta cifrou-se em 0,038% em 2012, depois de 0,036% em 2011, 0,040 em 2010 e depois de um pico de 0,050% em 2009.

Em concreto, os dados reunidos pelo BCE e pelos 18 bancos centrais da zona euro demonstram que em valor, cerca de 60% das fraudes com cartões bancários em 2012 resultaram de pagamentos postais, por telefone e na internet, ligadas à explosão das compras `online` desde 2008.

Este tipo de fraude, que aumentou 21% de 2011 para 2012, também foi observada nos países que se esforçaram para melhorar a segurança dos pagamentos com cartões na internet, adianta o BCE.

"Estes dados demonstram que nos devemos manter vigilantes em relação às fraudes com cartões bancários, mesmo vendo que o nível de contrafação é inferior no seio da zona SEPA como fora, graças à adoção de normas de segurança muito elevadas", afirmou o vice-presidente do BCE, Vitor Constâncio, citado no estudo.

A informação mais vista

+ Em Foco

O novo líder do PSD promete dialogar com todos os partidos nesta legislatura, mas tem consciência de que dois anos é pouco tempo para apresentar todas as propostas que defende.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.