Governo diz que controlo das condições de trabalho justifica acesso a dados

| Economia

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais defendeu hoje que o combate à precariedade justifica o acesso da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) aos dados dos contribuintes, desvalorizando as preocupações da Comissão Nacional de Proteção de Dados.

"Há finalidades que justificam o acesso a esses dados, que é naturalmente regulado por lei e contido dentro do que é necessário neste caso. O controlo pela ACT de situações como a precariedade ou a prestação de trabalho em condições de ilegalidade é uma das finalidades que justifica que haja uma instituição pública que aceda a dados que já estão na disponibilidade do Estado", defendeu Fernando Rocha Andrade, em entrevista à agência Lusa que será divulgada na íntegra na quinta-feira.

O Jornal de Negócios noticiou hoje que a Comissão Nacional de Proteção de Dados está preocupada com o aumento do número de organismos, como a ACT, com acesso à base de dados da Autoridade Tributária, previsto no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), considerando que isso "ameaça a privacidade" dos cidadãos.

Questionado sobre se se revê nestas preocupações da CNPD, Rocha Andrade salientou que, em sociedade, se procura um "permanente equilíbrio entre as necessidades de privacidade e outras necessidades públicas que também são do interesse de todos".

"Há um conjunto de realidades do Estado, desde o controle das condições de trabalho até à cobrança de impostos, que não são possíveis sem o acesso a dados pessoais. E, portanto, esse equilíbrio tem de ser encontrado em cada momento e têm sempre de ser pesadas as várias finalidades", defendeu o governante.

Nesse sentido, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais concluiu que "permitir à ACT o acesso a alguns dados, que aliás fundamentalmente são dados de empresas, (...) é um controlo que se justifica".

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.