InterCement acredita em decisão favorável da concorrência brasileira

| Economia

O presidente da InterCement, empresa que controla a Cimpor, acredita que a entidade reguladora da concorrência do Brasil, a CADE, deverá pronunciar-se favoravelmente sobre os processos de aquisição da cimenteira portuguesa.

"A nossa expetativa é que vá para julgamento no dia 04 de julho e a nossa perspetiva é que ambos sejam aprovados", afirmou José Édison de Barros Franco, num encontro com jornalistas, que decorreu em Lisboa.

Em causa estão os dois processos de aquisição da Camargo Corrêa na Cimpor: o de 2010 e a Oferta Pública de Aquisição (OPA), lançada pela InterCement (detida pela Camargo Corrêa) anunciada no final de março deste ano.

A InterCement, detida pela brasileira Camargo Corrêa, controla atualmente a maioria do capital da Cimpor, na sequência da OPA.

O setor dos cimentos no Brasil, em forte expansão, tem sido alvo de suspeitas de formação de cartel.

No ano passado, seis empresas, entre elas a Cimpor, a Votorantim, a Camargo Corrêa e a suíça Holcim, foram acusadas pela Secretaria de Direito Económico (SDE) do Ministério da Justiça do Brasil de alegadamente terem concertado os preços praticados no mercado, além de dividirem os clientes de acordo com as suas áreas de atuação e interesse.

Tópicos:

C Corrêa, Cimpor Votorantim,

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.