Mesão Frio coloca lojas do mercado em hasta pública a preços simbólicos

| Economia

A Câmara de Mesão Frio vai colocar as lojas do mercado municipal em hasta pública a um preço "simbólico", entre os 1.000 e 1.500 euros, para incentivar a criação de emprego, anunciou hoje o presidente.

Alberto Pereira disse à agência Lusa que, com o projeto de requalificação do mercado municipal, foram criados oito estabelecimentos comerciais.

Só que, na primeira hasta pública realizada, apenas uma das lojas foi vendida.

Por isso mesmo, a autarquia vai insistir e abrir um novo procedimento, desta vez a "preços simbólicos" que, segundo o autarca, rondarão entre os "1000 e 1500 euros", dependendo do espaço da loja.

"O objetivo é dar a oportunidade às pessoas de Mesão Frio de criarem o próprio emprego e, assim, ocuparmos esses estabelecimentos comerciais", sublinhou.

Alberto Pereira apontou como dificuldade para a compra das lojas a falta de acesso ao crédito, que atualmente se verifica no país, e a conjuntura de crise que assola Portugal.

"Mesão Frio perdeu nos últimos dez anos mais de 10% da população e sem pessoas não há negócio. Nesta fase complicada da economia portuguesa, as pessoas têm algum receio em laçar-se no próprio negócio", salientou.

O autarca insistiu na necessidade de as pessoas apostaram na criação do próprio emprego, até porque este é dos concelhos com a maior taxa de desemprego do país, a qual atingiu os 27% da população.

Mesão Frio é um concelho essencialmente agrícola, onde a atividade que predomina é a viticultura.

A requalificação do mercado municipal teve um custo total de 1,1 milhões de euros, 70% comparticipados por fundos comunitários e 30% pela autarquia.

Segundo Alberto Pereira, a obra teve como objetivo criar "um polo de encontro e relacionamento social, com mais potencial económico, estimulando a criação de emprego e oferecendo melhores condições para a realização da feira semanal".

Tópicos:

Mesão Frio Câa,

A informação mais vista

+ Em Foco

A União Europeia está ameaçada e tem de voltar à sua génese para se fortalecer e recuperar influência na cena mundial. Ou arrisca-se a perder o comboio do desenvolvimento e a desmembrar-se em pouco tempo.

    Num contexto de retorno do medo ao Reino Unido, a diplomata britânica Kirsty Hayes aponta a importância de todos os habitantes de Londres estarem unidos.

    Foram mais de três horas de debate a cinco mas sem grandes novidades. Le Pen defendeu o fim da imigração. Macron foi atacado pelas ligações à banca.

    Estarão os nossos equipamentos comprometidos? O especialista em cibersegurança Pedro Queirós alerta para um problema "assustador".