Parlamento discute agravamento dos crimes e ofensas contra agentes de execução

| Economia
Parlamento discute agravamento dos crimes e ofensas contra agentes de execução

Foto: Uli Deck/EPA

A Assembleia da República discute esta quinta-feira a proposta PSD/CDS-PP para o agravamento dos crimes de homicídios e ofensas físicas contra solicitadores e agentes de execução. Esta medida era uma reivindicação da Câmara dos Solicitadores, depois da morte de um agente em serviço, na zona de Alcobaça, em setembro. Porém, os processos de execução em Portugal estão a diminuir.

O presidente da Câmara dos Solicitadores, José Carlos Resende, afirma que os processos de execução passam cada vez mais por penhoras bancárias. As diligências de rua, que são as mais perigosas e delicadas, também estão em diminuição.

Se a lei for alterada - um pedido da Câmara dos Solicitadores que mereceu acolhimento da ministra da Justiça -, os homicídios e as ofensas corporais contra solicitadores e agentes de execução passam a ser julgados como crime agravado, como já acontece no caso dos crimes contra membros do Governo, magistrados, autarcas, jurados, ou agentes das forças de segurança.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.