Preços do petróleo em alta na Ásia impulsionados por dados económicos positivos da China

| Economia

Os preços do petróleo estavam hoje em alta no mercado asiático, impulsionados pela retoma do forte crescimento da produção industrial na China, um indicador positivo para o país, o maior consumidor mundial de energia.

O barril de "light sweet crude" para entrega em janeiro valorizava 29 cêntimos para 86,22 dólares norte-americanos, enquanto o barril de Brent do Mar do Norte, para entrega no mesmo período, ganhava 39 cêntimos até aos 107,41 dólares.

"O petróleo estava em alta em reação aos novos indicadores económicos positivos na China", avaliou Victor Shum, analista chefe da IHS Inc, um gabinete de consultores de energia, citado pela agência noticiosa francesa AFP. "Parece que a China se recupera e que a economia se recupera perante os números da produção industrial", acrescentou o responsável.

Os dados da produção industrial chinesa, publicados no domingo, apontam para um acentuado crescimento em novembro face ao período homólogo do ano passado, o qual foi superior a 10 %.

A China já não registava um aumento anual da sua produção industrial de dois dígitos desde março.

Na sexta-feira, o petróleo estava em baixa no final das sessões de Londres e Nova Iorque, devido aos receios sobre a procura na Europa e nos Estados Unidos.

Tópicos:

Brent,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.