Restituídos 58 mil euros de cauções de contratos de serviços num ano

| Economia

A DECO informou hoje que foram devolvidos cerca de 58 mil euros no último ano aos titulares de contratos de serviços públicos, celebrados antes de 1999, que ainda não tinham reclamado o direito à restituição das respetivas cauções.

Em comunicado, a DECO explica que a iniciativa lançada em setembro de 2015, através da plataforma www.dinheirodoscontadores.pt, reuniu mais de 100 mil consumidores e contribuiu para a devolução de 58 mil euros aos titulares de contratos de serviços públicos essenciais, celebrados antes de 1999, data em que passou a ser proibida a cobrança de cauções.

"Os aderentes à nossa ação conseguiram perceber se tinham direito à devolução do dinheiro das cauções, bem como os procedimentos necessários para o reaverem", adianta a associação de defesa do consumidor.

Citando dados da Direção-Geral do Consumidor (DGC), a DECO refere que, entre 2008 e o surgimento da ação, tinham sido restituídos "apenas cerca de 37 mil euros".

Desde 1999, quando a lei passou a proibir a cobrança de cauções e obrigou as entidades gestoras a devolver as cauções indevidamente cobradas, e até ao início deste ano continuavam por cobrar 18 milhões de euros de cauções, segundo as estimativas da DECO.

Tópicos:

Consumidor DGC,

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.