Royal Bank chumba nos testes de `stress` e tem de aumentar capital em 2,2 mil milhões de euros

| Economia

|

O Royal Bank of Scotland (RBS) chumbou nos testes de `stress`, segundo anunciou hoje o Banco de Inglaterra, tendo de aumentar o capital em 2.000 milhões de libras (2.200 milhões de euros) para reforçar a sua situação financeira.

O banco central britânico divulgou hoje os resultados dos testes de `stress` de sete grandes bancos britânicos (Lloyds Banking Group, HSBC, Barclays, RBS, Santander UK, Standard Chartered e Nationwide Building Society), para verificar a sua robustez e resistência face a uma crise financeira global.

O RBS, cujo capital é maioritariamente público (73%), surge na última posição nos testes de `stress` realizados pelo Banco de Inglaterra, embora se tenham identificados alguns problemas com o Barclays e o Standard Chartered.

No caso do HSBC, Lloyds Banking Group, Nationwide e Santander UK não foram identificados quaisquer problemas ao nível dos testes de `stress` efetuados pela entidade supervisora e reguladora britânica.

Segundo o relatório do Comité de Política Financeira do Banco de Inglaterra, o Barclays apresentou dificuldades nos testes de `stress`, mas não terá de se submeter a um novo plano para aumentar o seu capital, uma vez que já tomou medidas nesse sentido.

O Standard Chartered, por seu lado, também não terá de adotar mais medidas para aumentar o seu capital, pois já está a trabalhar nesse sentido, segundo o banco central britânico.

Estes são os terceiros testes de `stress` que o Banco de Inglaterra faz aos principais bancos do país, desde a crise financeira de 2007/2009.

A crise registada nesse período obrigou o Governo trabalhista de então a resgatar algunas instituições financeiras, caso do RBS.

Tópicos:

HSBC Lloyds Banking Group Nationwide, Inglaterra, Royal Bank,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.