Royal Bank chumba nos testes de `stress` e tem de aumentar capital em 2,2 mil milhões de euros

| Economia

|

O Royal Bank of Scotland (RBS) chumbou nos testes de `stress`, segundo anunciou hoje o Banco de Inglaterra, tendo de aumentar o capital em 2.000 milhões de libras (2.200 milhões de euros) para reforçar a sua situação financeira.

O banco central britânico divulgou hoje os resultados dos testes de `stress` de sete grandes bancos britânicos (Lloyds Banking Group, HSBC, Barclays, RBS, Santander UK, Standard Chartered e Nationwide Building Society), para verificar a sua robustez e resistência face a uma crise financeira global.

O RBS, cujo capital é maioritariamente público (73%), surge na última posição nos testes de `stress` realizados pelo Banco de Inglaterra, embora se tenham identificados alguns problemas com o Barclays e o Standard Chartered.

No caso do HSBC, Lloyds Banking Group, Nationwide e Santander UK não foram identificados quaisquer problemas ao nível dos testes de `stress` efetuados pela entidade supervisora e reguladora britânica.

Segundo o relatório do Comité de Política Financeira do Banco de Inglaterra, o Barclays apresentou dificuldades nos testes de `stress`, mas não terá de se submeter a um novo plano para aumentar o seu capital, uma vez que já tomou medidas nesse sentido.

O Standard Chartered, por seu lado, também não terá de adotar mais medidas para aumentar o seu capital, pois já está a trabalhar nesse sentido, segundo o banco central britânico.

Estes são os terceiros testes de `stress` que o Banco de Inglaterra faz aos principais bancos do país, desde a crise financeira de 2007/2009.

A crise registada nesse período obrigou o Governo trabalhista de então a resgatar algunas instituições financeiras, caso do RBS.

Tópicos:

HSBC Lloyds Banking Group Nationwide, Inglaterra, Royal Bank,

A informação mais vista

+ Em Foco

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    João Guerreiro, presidente da comissão que elaborou o relatório sobre Pedrógão Grande, enumera responsabilidades "momentâneas" e "estruturais".

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.