Salazar reconstruiu monumentos à imagem do seu regime e legado mantém-se

| Economia

Uma tese de doutoramento da Universidade de Coimbra, que analisa a reconstrução dos monumentos nacionais durante o Estado Novo, conclui que Salazar deixou um legado, ainda hoje vivo, de símbolos que materializam a imagem salazarista do país.

Durante o Estado Novo, foi aplicado um plano de investimento para a reconstrução de monumentos que durou até aos anos 1960, e que procurou "recuperar" a ideia de "um passado perdido, de um passado heroico", com as estruturas medievais e manuelinas a serem pensadas "como o grande bem da nação", disse à agência Lusa o autor da tese e docente do Departamento de Arquitetura (Darq) da Universidade de Coimbra (UC), Luís Correia.

As reconstruções, apesar de não terem sido desenhadas por Salazar, correspondiam à imagem de um passado renovador que o ditador português pretendia colar ao país, sublinha.

Os monumentos, nota a tese, foram usados por Salazar como "restaurados símbolos de memória e poder, que a maciça classificação e consequente instituição das zonas de proteção de caráter geral e especial pretendiam salvaguardar como propriedades da sua regência".

"Constituíram-se, assim, documentos privilegiados na (re)definição da imagem de Portugal mas, igualmente, veículos superiores da afirmação de uma estratégia ideológica global", sublinha a tese de Luís Correia, que entende que os monumentos são hoje, "quiçá, os responsáveis máximos pela permanência na terra da obra forjada por Oliveira Salazar, concorrendo, de modo crucial, para a identidade do território e, porventura, para a própria identidade da Nação".

Nesse plano de reconstrução de monumentos nacionais, como castelos ou igrejas, acabou por se impor uma arquitetura denominada de "terceira via", que representa um certo paradoxo.

Apesar de Salazar rejeitar a ideia de modernidade, as intervenções apontam para uma relação entre a tradição e o progresso, o nacionalismo e o modernismo.

Para Salazar, o passado não podia estar associado a "uma imagem de património em ruínas ou abandonado", recuperando "muitas vezes uma imagem primitiva que não existia", salienta Luís Correia, realçando que se procurava "criar uma pureza que não se sabia que existia - era uma imagem mais pensada do que real".

Sinal dessa mesma intervenção é o Castelo de São Jorge, que antes das obras efetuadas durante o Estado novo "estava totalmente obstruído".

Nas obras do castelo, como noutros casos, foi potenciada "a heroicidade do passado", colocando-se "ameias e torres" no monumento, que acabou por ficar "à vista, a regular o quotidiano" de Lisboa, explicou.

"Hoje, quem vai ao Castelo de São Jorge vê uma obra de época medieval, mas que na verdade não o é", constata o docente do Darq, recordando que o próprio castelo é depois usado em propaganda do regime.

O caso mais evidente desse uso é o do cartaz "Deus, Pátria, Família", da série "A Lição de Salazar", que resume a pedagogia e moral salazarista, em que o monumento surge na janela da casa de uma família portuguesa, com a bandeira portuguesa hasteada.

De acordo com Luís Correia, desde o Estado Novo "houve algumas obras" de intervenção em monumentos nacionais, mas hoje "não há um projeto agregador - as obras são feitas avulso".

"Se se olhar para a obra pública, para o projeto [de Salazar] para os monumentos nacionais, pensou-se o território de forma coerente, o que nunca mais existiu", sublinhou.

"Não há um projeto que pense o território e que pense o desenho do território no seu conjunto. Na altura, havia esse pensamento e era político", explanou, salientando que os monumentos nacionais, ainda hoje, "são importantes para a identificação do que é ser português".

Tópicos:

Lição, Salazar,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.