Setor do mobiliário atinge 1000 milhões em exportações até outubro e espera novo recorde

| Economia

As exportações do setor do mobiliário e colchoaria ultrapassaram os mil milhões de euros entre janeiro e outubro deste ano, valor que a associação setorial disse hoje indiciar que 2013 vai ser um novo ano recorde.

Em comunicado, a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA) recordou os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) que apontam para um crescimento de 40% das exportações do setor nos anos entre 2005 e 2012.

Em outubro deu-se uma subida das exportações de 22% face ao mesmo mês de 2012, tendo sido registado um crescimento de 15% em relação a setembro deste ano.

O principal mercado do setor continua a ser o francês, que aumentou 7% para 291 milhões de euros durante os primeiros 10 meses do ano, seguindo-se Espanha, que, apesar de se ter contraído 1,3%, se mantém na segunda posição com um volume de compras de 251 milhões.

O maior destaque em termos de crescimento de mercados internacionais vai para os EUA, cujas vendas dispararam 123% entre janeiro e outubro face ao homólogo de 2012, mas que, em termos absolutos, representam apenas 29 milhões de euros, ou seja, 2,9% do total.

Angola manteve-se em terceiro lugar na lista de mercados estrangeiros, com uma variação positiva de 6,6% para 119,3 milhões de euros.

O diretor executivo da APIMA, Hugo Vieira, afirma no mesmo comunicado que os dados referentes a outubro demonstram "o bom trabalho desenvolvido pelas empresas e a qualidade do seu produto", mas ressalva que "o setor ainda se encontra a afirmar nos mercados externos e, como tal, ainda não escapou à crise".

"Para além da questão da dívida, sobretudo a bancária, por outro lado, o aumento de faturação não é, forçosamente, sinónimo de cobrança nem de rendibilidade", salientou Hugo Vieira.

Tópicos:

Indústrias Mobiliário,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    O Reino Unido está a sobrevalorizar o seu valor como parceiro comercial e vai "sofrer um desastre com o Brexit", alerta Mark Beeson.

    Em abril, uma cimeira histórica entre Coreias reaproximou dois países de costas voltadas há mais de 60 anos. O que esperar do futuro?

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.