Trump diz que as empresas nunca mais vão sair do país "sem consequências"

| Economia

O Presidente eleito dos EUA disse que "as empresas não vão voltar a sair do país sem consequências", durante uma visita a uma fábrica em Indianápolis (Indiana), que vai manter mil empregos inicialmente previstos para passarem para o México.

"As empresas não vão voltar a ir-se embora dos Estados Unidos sem consequências. Não podemos permitir que isto ocorra com o nosso país. Há muitos empregos a saírem dos Estados Unidos e a passarem para outros países", disse na quinta-feira Donald Trump após uma breve visita à unidade do fabricante de fornos e ares condicionados Carrier.

A empresa confirmou a decisão e informou que tinha recebido o compromisso por parte das autoridades estatais de receber sete milhões em isenções fiscais.

Trump, que estava acompanhado pelo vice-presidente eleito e ex-governador do Indiana, Mike Pence, e por Greg Hayes, presidente da United Technologies, proprietária da Carrier, insistiu na sua intenção de reduzir os impostos sobre as empresas desde os atuais 35% até 15% para incentivar as empresas a investirem nos Estados Unidos e a aumentar as tarifas na fronteira.

Disse que conseguiu mudar os planos da Carrier com uma chamada telefónica em que convenceu Hayes a ficar no Indiana.

Trump tinha prometido durante a campanha eleitoral forçar os executivos da empresa a cancelar os seus planos de mudança para o México.

Apesar da Carrier se ter comprometido a deixar 800 empregos diretos e outros 300 da administração no Indiana, a empresa mantém a intenção de mover outros 700 para as suas instalações em Monterrey (México) e encerrar outra fábrica em Huntington, também no mesmo estado, onde há 700 pessoas empregadas.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.