Trump diz que as empresas nunca mais vão sair do país "sem consequências"

| Economia

O Presidente eleito dos EUA disse que "as empresas não vão voltar a sair do país sem consequências", durante uma visita a uma fábrica em Indianápolis (Indiana), que vai manter mil empregos inicialmente previstos para passarem para o México.

"As empresas não vão voltar a ir-se embora dos Estados Unidos sem consequências. Não podemos permitir que isto ocorra com o nosso país. Há muitos empregos a saírem dos Estados Unidos e a passarem para outros países", disse na quinta-feira Donald Trump após uma breve visita à unidade do fabricante de fornos e ares condicionados Carrier.

A empresa confirmou a decisão e informou que tinha recebido o compromisso por parte das autoridades estatais de receber sete milhões em isenções fiscais.

Trump, que estava acompanhado pelo vice-presidente eleito e ex-governador do Indiana, Mike Pence, e por Greg Hayes, presidente da United Technologies, proprietária da Carrier, insistiu na sua intenção de reduzir os impostos sobre as empresas desde os atuais 35% até 15% para incentivar as empresas a investirem nos Estados Unidos e a aumentar as tarifas na fronteira.

Disse que conseguiu mudar os planos da Carrier com uma chamada telefónica em que convenceu Hayes a ficar no Indiana.

Trump tinha prometido durante a campanha eleitoral forçar os executivos da empresa a cancelar os seus planos de mudança para o México.

Apesar da Carrier se ter comprometido a deixar 800 empregos diretos e outros 300 da administração no Indiana, a empresa mantém a intenção de mover outros 700 para as suas instalações em Monterrey (México) e encerrar outra fábrica em Huntington, também no mesmo estado, onde há 700 pessoas empregadas.

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP disponibiliza agora uma nova aplicação: apresenta as notícias do dia em texto, vídeo e áudio, alertas de última hora e as emissões da RTP3 e Antena 1.

Em dez anos, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado 18 vezes em casos de liberdade de expressão.

    Londres é o grande centro financeiro para negócios internacionais e comércio da Europa e um dos principais centros de liderança da economia global. Corre o risco de ser desmantelada.

      É difícil eleger a ordem de importância dos assuntos que fizeram a agenda deste mês de Administração Trump, porque o novo presidente americano tem esse condão de transformar qualquer questão menor numa autêntica bomba atómica.