Trump diz que as empresas nunca mais vão sair do país "sem consequências"

| Economia

O Presidente eleito dos EUA disse que "as empresas não vão voltar a sair do país sem consequências", durante uma visita a uma fábrica em Indianápolis (Indiana), que vai manter mil empregos inicialmente previstos para passarem para o México.

"As empresas não vão voltar a ir-se embora dos Estados Unidos sem consequências. Não podemos permitir que isto ocorra com o nosso país. Há muitos empregos a saírem dos Estados Unidos e a passarem para outros países", disse na quinta-feira Donald Trump após uma breve visita à unidade do fabricante de fornos e ares condicionados Carrier.

A empresa confirmou a decisão e informou que tinha recebido o compromisso por parte das autoridades estatais de receber sete milhões em isenções fiscais.

Trump, que estava acompanhado pelo vice-presidente eleito e ex-governador do Indiana, Mike Pence, e por Greg Hayes, presidente da United Technologies, proprietária da Carrier, insistiu na sua intenção de reduzir os impostos sobre as empresas desde os atuais 35% até 15% para incentivar as empresas a investirem nos Estados Unidos e a aumentar as tarifas na fronteira.

Disse que conseguiu mudar os planos da Carrier com uma chamada telefónica em que convenceu Hayes a ficar no Indiana.

Trump tinha prometido durante a campanha eleitoral forçar os executivos da empresa a cancelar os seus planos de mudança para o México.

Apesar da Carrier se ter comprometido a deixar 800 empregos diretos e outros 300 da administração no Indiana, a empresa mantém a intenção de mover outros 700 para as suas instalações em Monterrey (México) e encerrar outra fábrica em Huntington, também no mesmo estado, onde há 700 pessoas empregadas.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.