Campeão moçambicano é encontrado domingo entre Ferroviário de Maputo e Costa do Sol

| Futebol Internacional

O campeão nacional de futebol de Moçambique de 2015 será conhecido no domingo entre o Ferroviário de Maputo e o Costa do Sol, que à entrada da última jornada estão empatados na classificação, com 43 pontos.

O Ferroviário de Maputo vai defrontar o Ferroviário de Nampula no norte do país e o Costa do Sol vai viajar até à província de Gaza para jogar com Clube de Chibuto.

Apesar da igualdade pontual, o Ferroviário de Maputo, com 34 golos marcados e 19 sofridos, parte em vantagem para a última jornada, devido à diferença de golos (15, contra 10 do Costa do Sol (26 marcados e 16 sofriso).

O Costa do Sol, treinado pelo português Nelson Santos, não vence o Moçambola desde 2007 e o Ferroviário, que no início da época dispensou outro português, Vítor Pontes, e desde então é orientado por Caló, festejou o título pela última vez em 2009.

Na jornada do fim de semana também serão conhecidas as duas equipas que vão acompanhar o Ferroviário de Quelimane na despromoção à segunda divisão.

O 1.º de Maio de Quelimane, com 26 pontos, Clube Desportivo de Nacala, 27 pontos, e o histórico Desportivo de Maputo, 29 pontos, vão decidir a sua manutenção no maior escalão do futebol moçambicano.

Enquanto o 1.º de Maio de Quelimane vai defrontar fora o Clube Desportivo de Nacala, o Desportivo de Maputo recebe o HCB de Songo.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.