Liverpool "desforra-se" da derrota na Taça

| Inglaterra

Essien não evita golo do Liverpool
|

O Liverpool vingou-se hoje da derrota na final da Taça de Inglaterra, ao golear (4-1) o Chelsea, na 37. jornada da Liga inglesa de futebol, resultado que deixa os "blues" praticamente fora da Liga dos Campeões.

  Três dias depois de conquistar a Taça de Inglaterra, o Chelsea, em gestão de esforços e com o português Paulo Ferreira no "onze", permitiu uma pequena "vingança" ao Liverpool - finalista vencido na Taça de Inglaterra por 2-1, em jogo que ficou marcado pela polémica decisão do árbitro de não validar uma bola que poderá ter entrado na baliza do checo Petr Cech.  
 
    No embate de hoje, e no espaço de 10 minutos, os "reds" construíram uma vantagem irrecuperável: o ganês Michael Essien empurrou a bola para a própria baliza, aos 19 minutos, o inglês Jordan Henderson, assistido pelo argentino Maxi Rodríguez, fez o 2-0, aos 25, e o dinamarquês Daniel Agger ampliou para 3-0, aos 29.  
 
    O golo de honra do Chelsea foi assinado pelo antigo jogador do Benfica, o brasileiro Ramires, já depois do intervalo (50 minutos), mas não foi suficiente para travar a vitória contrária, reconfirmada por Jonjo Shelvey, aos 61 minutos.   
 
    O resultado afasta matematicamente os "blues" do apuramento para a Liga dos campeões, ficando a presença na edição de 2012/2013 dependente da vitória na final de Munique a 20 de maio, frente ao Bayern Munique.   
 
      

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Trabalho e da Segurança Social considera que a apresentação da moção de censura não vai trazer mudanças significativas.