Mercado fechado. Quanto é que se gastou em transferências no futebol europeu?

| Futebol Internacional

Pep Guardiola, treinador do Manchester City, um dos clubes que mais dinheiro gastou em transferências
|

O mercado fechou na Europa e mais uma vez a Inglaterra encontra-se no primeiro lugar do ranking de valor gasto em transferências. Fazemos as contas aos milhões. E são muitos.

O campeonato principal de Inglaterra (Premier League) gastou um total de 1416 milhões de euros. São números revelados pelo transfermarkt.pt que reúne dados sobre transferências e valores gastos por país e clube.

A Itália encontra-se em segundo lugar, tendo neste defeso despendido 711 milhões de euros em contratações.

Em terceiro e quarto lugar, estão a Alemanha e a Espanha, com um valor de 558 e 490 milhões, respetivamente. 


A 2ª divisão inglesa (Championship) ocupa o quinto lugar deste ranking, com um valor de 248 milhões de euros. Mostra assim o poder económico dos clubes ingleses.

A primeira liga francesa ocupa a sexta posição, com 195 milhões de euros gastos, seguida de uma das potências em ascensão no futebol internacional, a China, que gastou um total de 131 milhões de euros neste defeso.

Segue-se Portugal, muito devido aos três clubes principais - Benfica, Sporting e Porto. Por cá gastou-se 97 milhões de euros na compra de jogadores.
Que clube gastou mais dinheiro?
Os três clubes que mais gastaram neste mercado de transferências, em toda a Europa, foram o Manchester City (213 milhões), Manchester United (185 milhões) e a Juventus (162,5 milhões).

Para isso muito contribuíram as contratações de Paul Pogba – 105 milhões (Manchester United), que se tornou no futebolista mais caro da história, Gonzalo Higuain – 90 milhões (Juventus) e John Stones – 55,60 milhões de euros (Manchester City). 

Em relação aos clubes portugueses, o mercado também esteve bastante ativo. O Benfica foi o clube que mais gastou - 33,40 milhões. O Sporting logo de seguida - 30,67 milhões - e depois o FC Porto - 29.70 milhões.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.