Portugal "perdeu a corrida" pela liderança mundial na energia das ondas - responsável Parque Aguçadoura

Portugal "perdeu a corrida" pela liderança mundial na área da energia das ondas e o projecto de criação de um `cluster` português a este nível está "seriamente comprometido", considerou hoje o responsável pelo parque de ondas da Aguçadoura.

Em declarações à agência Lusa, Rui Barros, da Companhia da Energia Oceânica (empresa do grupo de investimento australiano Babcock&Brown) disse estarem há quatro meses paradas no Porto de Leixões as três máquinas fabricadas pelos escoceses da Pelamis com que arrancou o parque de ondas da Aguçadoura, considerado pelo ministro da Economia a "bandeira" da liderança portuguesa neste sector.

Após escassos meses no mar, as máquinas foram trazidas para terra porque os casquilhos das articulações dos macacos hidráulicos "cederam em serviço" por várias vezes, aguardando-se agora a sua substituição.

Este problema está a causar um novo atraso ao projecto, cujo contrato inicial foi assinado em Maio de 2005 e o arranque ocorreu já com dois anos de atraso.

Confrontada pela Agência Lusa, a porta-voz do Ministério da Economia reafirmou apenas que "o forte empenho no desenvolvimento das energias renováveis nas suas várias vertentes e que isso é reconhecido internacionalmente".

Entretanto, a crise financeira arrastou consigo a Babcock&Brown, que pôs à venda os seus activos para abater à dívida, entre os quais o projecto Pelamis.

Como consequência, o consórcio anunciado há seis meses entre a EDP, Efacec, Babcock&Brown e Pelamis para desenvolvimento do parque de ondas da Aguçadoura e de um `cluster` português na área da energia das ondas nunca se concretizou.

Nos termos do acordo de parceria, que foi então dado como já assinado, a Pelamis Wave Power surgia como parceiro tecnológico, com 23 por cento, e os restantes 77 por cento estavam divididos pela Babcock&Brown (46,2 por cento), Efacec (15,4 por cento) e EDP (15,4 por cento, com opção de compra de mais 15,4 por cento do grupo australiano).

Uma vez que o objectivo era que a parceria ultrapassasse o projecto da Aguçadoura e se estendesse a outros projectos experimentais da energia das ondas, foi também então anunciado um outro consórcio entre a EDP, a Babcock&Brown e a Efacec para "criar as bases de um `cluster` português" nesta área.

Designado Ondas de Portugal, o consórcio seria detido a 45 por cento pela eléctrica portuguesa, 35 por cento pela Babcock&Brown e o restante pela Efacec, mas também nunca chegou a ser assinado.

"Os pressupostos iniciais do projecto foram alterados e a EDP está a renegociá-los com a Babckock&Brown", afirmou à Lusa fonte oficial da eléctrica portuguesa.

Salientando que se mantém "empenhada no projecto", a EDP não esclareceu se poderá estar interessada em comprar o negócio ao fundo australiano.

Face ao impasse criado em Portugal, a Pelamis Wave Power, parceira tecnológica do projecto, já assinou um outro contrato com o gigante da energia E.ON para um projecto semelhante na Escócia, com a nova geração de máquinas Pelamis.

"Neste momento está seriamente comprometido" o projecto do `cluster` português da energia das ondas, considerou Rui Barros.

Já perdida estará a "corrida" pela liderança de Portugal nesta área das energias renováveis, pois, se o parque de ondas da Aguçadoura era o primeiro do género a nível mundial, "daqui a pouco vai deixar de o ser", concluiu.

TAGS:Aguçadoura, EDP Efacec Babcock&Brown,

  • .Corrigir
  • .Leia-me
  • .Imprimir
  • .Enviar
  • .Partilhar
  • .Aumentar
  • .Diminuir