EDP vai ter tarifa única para gás e eletricidade

EDP vai ter tarifa única para gás e eletricidade
legenda da imagemEDP espera ter meio milhão de clientes na campanha com os supermercados Continente
edp.pt

A EDP Comercial vai oferecer, a partir de 1 de janeiro de 2013, uma tarifa única para gás e eletricidade no seguimento da liberalização do mercado. A empresa espera, até ao final deste ano, chegar a um milhão de clientes no mercado liberalizado com a campanha de dez por cento de desconto na fatura em troca de compras nos supermercados Continente.

“Para depois de 1 de janeiro de 2013, a empresa vai tentar estender a oferta e será apresentado aos clientes uma oferta dual, uma tarifa para a eletricidade e para o gás”, revelou Jorge Cruz Morais, administrador da EDP, á agência Lusa.

Segundo Cruz Morais, “a partir do início do próximo ano, os operadores no mercado irão apostar em soluções diferentes e a EDP não será exceção”.

“Podemos propor tarifas mais complexas e mais ajustadas a cada cliente quando estiverem instalados os contadores inteligentes” e “até poderá haver tarifas diferentes preços por hora durante o dia, indo mais longe que o atual sistema bi-horário ou tri-horário”.

A partir de 1 de janeiro de 2013, conforme o entendimento negociado entre o Governo português e a Troika, Portugal deixará de ter tarifas reguladas, sendo que existirão tarifas transitórias até 2015.

No entanto, a Entidade Reguladora dos serviços Energéticos (ERSE) vai continuar a propor os aumentos dos preços na eletricidade para 2013 e 2014, de forma a incentivar os consumidores a aderirem ao mercado liberalizado.

O administrador da EDP afirma que a elétrica nacional se compromete a avançar com tarifas liberalizadas, depois de 2013, com o “compromisso de não terem preços superiores aos do mercado regulado, qualquer que seja a decisão da ERSE”.

Cruz Morais considera que, “é evidente que isto tem um risco incorporado para a empresa, mas o objetivo da EDP é que as pessoas mudem o mais rapidamente possível para o mercado livre”.

Segundo o responsável pela eléctrica nacional, a intenção da EDP é, “liderar o mercado liberalizado, o que já acontece com cerca de 300 mil clientes, seguido da Endesa com cerca de 50 mil clientes”.

Apesar do mercado liberalizado existir em Portugal desde 4 de setembro de 2006, o administrador da EDP afirma que, “nunca teve grande sucesso porque a tarifa regulada sempre teve alguma volatilidade de preço ao longo dos anos, tornando-a mais competitiva do que as do mercado liberalizado”.

EDP quer meio milhão na campanha com Continente
A elétrica nacional espera chegar ao final de 2012 com meio milhão de clientes no mercado liberalizado com a campanha que está a decorrer, desde 9 de janeiro, em que oferece aos consumidores um desconto de 10 por cento na fatura em troca de compras nos supermercados da Sonae.

“A intenção é atingir o meio milhões de clientes no mercado liberalizado até ao final do ano, atualmente a empresa já tem cerca de 100 mil clientes ligados à campanha”, declarou Jorge Cruz Morais à Lusa.

No entanto, o administrador admite que os consumidores que atualmente têm tarifas bi-horária e tri-horária, o que representa cerca de 20 por cento dos seis milhões de clientes da tarifa regulada, não devem aderir à campanha da EDP com o Continente.

“Esta campanha exclui os clientes do regulado que têm tarifa bi-horária ou tri-horária porque são de tal modo competitivas que nenhum operador do mercado liberalizado consegue concorrer”, frisou.

TAGS: Continente, Jorge Cruz Morais, campanha, clientes, consumidores, liberalização, mercado, tarifa, EDP,

  • .Corrigir
  • .Leia-me
  • .Imprimir
  • .Enviar
  • .Partilhar
  • .Aumentar
  • .Diminuir
Relacionados

Últimas Notícias de Economia