Durão Barroso, o anfitrião da Cimeira das Lajes

A Cimeira das Lajes ficou conhecida como a "cimeira da guerra", mas há cinco anos, quatro dias antes da invasão do Iraque, o seu anfitrião atribuía a responsabilidade de um eventual conflito armado apenas ao "ditador Saddam Hussein".

"A responsabilidade é inteiramente do ditador Saddam Hussein. É dele a responsabilidade de não ter respeitado durante anos o direito internacional e de ter violado repetidas vezes as resoluções das Nações Unidas", disse José Manuel Durão Barroso, primeiro-ministro de Portugal, na conferência de imprensa no final da Cimeira, faz domingo cinco anos, questionado sobre se Portugal ao acolher a reunião ficaria com responsabilidades acrescidas numa eventual guerra.

A cimeira extraordinária sobre o Iraque reuniu na base aérea das Lajes, nos Açores, o presidente norte-americano, George W. Bush, e os primeiros-ministros britânico, Tony Blair, e espanhol, Jose Maria Aznar, que lançaram um ultimato ao ditador iraquiano: 24 horas para se desarmar voluntariamente.

Durão Barroso assinalou ainda, na mesma conferência de imprensa, que a cimeira das Lajes oferecia "a última oportunidade para uma solução política" para a crise iraquiana.

Três anos depois, Durão Barroso declarou ter agido com base em informações que "não foram confirmadas: que havia armas de destruição maciça" no Iraque.

Os restantes dirigentes na cimeira teriam outro tipo de informação, segundo notícias divulgadas no último ano.

De acordo com o New York Times, Bush informou Blair em Janeiro de 2003 que estava decidido a invadir o Iraque mesmo sem uma resolução da ONU e sem que alguma arma de destruição maciça tivesse sido encontrada.

O jornal cita um memorando secreto britânico sobre um encontro dos dois políticos a 31 de Janeiro na Casa Branca, revelando que Bush e Blair constataram que nenhuma arma de destruição maciça tinha sido encontrada no Iraque pelos inspectores da ONU e que o presidente norte-americano referiu a possibilidade de provocar um confronto sacrificando, por exemplo, um avião de vigilância norte-americano pintado com as cores da ONU.

Os dois dirigentes previram uma vitória rápida no Iraque, seguida de uma transição política complicada, mas possível de gerir, refere o New York Times.

Três semanas depois e um mês antes da invasão do Iraque, Bush informou Aznar que Saddam Hussein estava disposto a exilar-se a troco de um milhão de dólares, segundo notas de uma reunião entre os líderes norte-americano e espanhol no rancho do primeiro em Crawford (Texas) publicadas pelo El Pais.

As notas, que o jornal espanhol diz terem sido tomadas pelo embaixador de Espanha em Washington, Javier Rupérez, que assistiu à reunião, referem que Aznar tentou convencer Bush a não avançar para uma invasão do Iraque sem uma resolução da ONU autorizando o uso da força.

Em resposta, Bush fala abertamente da necessidade de pressionar os membros não permanentes do Conselho de Segurança e avisa que, com ou sem resolução, a ofensiva militar avança no final de Março.

"A minha paciência esgotou-se. Acho que não vamos esperar para além de meados de Março", foram as palavras do presidente norte-americano, de acordo com o jornal.

A invasão do Iraque foi lançada a 20 de Março e numa sondagem publicada no Diário de Notícias oito dias depois Durão Barroso surge como o líder político português mais impopular, penalizado pelo apoio à guerra.

Antes, a 26 de Março, o governo tinha enfrentado no Parlamento quatro moções de censura, apresentadas pelo Partido Socialista, Partido Comunista, Bloco de Esquerda e Verdes, que foram rejeitadas pela maioria social-democrata e popular.

No debate na Assembleia, o primeiro-ministro desafiou a oposição a não circunscrever o seu discurso a meras "posições de princípio".

"Sou contra a guerra, abomino a guerra. O problema é, perante uma guerra que existe independentemente da nossa vontade, qual deve ser a nossa posição", declarou Durão Barroso.

A ligação à guerra do Iraque - através do apoio a Bush e do patrocínio da cimeira das Lajes - que contou com a oposição da França e da Alemanha, não foi impedimento à nomeação de Durão Barroso para presidente da Comissão Europeia a 29 de Junho de 2004.

Os líderes que participaram na cimeira nos Açores tiveram custos políticos significativos.

O partido de Aznar perdeu eleições e o de Bush ficou sem a maioria na Câmara de Representantes e no Senado, Blair deixou o governo e na última sessão de perguntas com os deputados pediu "desculpa" pelos perigos que os soldados britânicos correm no Iraque.

Com a "cimeira da vergonha", "sinal de partida para a invasão do Iraque, invocando argumentos falsos e falsas razões", segundo o antigo presidente da República Mário Soares, o evento "absolutamente grotesco" do qual "saiu essa tragédia que se chama Iraque", para o escritor José Samarago, Portugal "não perdeu nada", declarou Durão Barroso.

Pelo contrário, "só ganhou credibilidade na ocasião", segundo o presidente da Comissão Europeia, numa entrevista à SIC em Novembro de 2006, exemplificando com o facto de, pouco tempo depois, ter sido convidado para o cargo europeu, com o apoio de países que se opuseram à intervenção.

Rejeitando qualquer arrependimento pelo apoio do governo português à intervenção militar no Iraque em 2003, Durão Barroso reconheceu, no entanto, que o processo no terreno estava "a correr mal".

Pelo seu trabalho à frente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso deverá estar entre os candidatos ao Nobel da Paz de 2008, proposto pelo presidente de Timor-Leste, José Ramos Horta, Nobel da Paz em 1996.

A notícia foi divulgada pela agência noticiosa francesa AFP a 31 de Janeiro, data limite de apresentação de candidatos, sendo o nome do premiado conhecido em Outubro.

Ramos Horta indicou ter proposto a candidatura de Durão Barroso por considerar que, sob a sua presidência, "a Comissão Europeia trabalha no sentido de um diálogo pacífico, contribui abundantemente para as forças da ONU e auxilia os refugiados".

PAL.


  • .Corrigir
  • .Leia-me
  • .Imprimir
  • .Enviar
  • .Partilhar
  • .Aumentar
  • .Diminuir