Académico israelita recomenda violação de palestinianas para impedir atentados

| Mundo

|

Mordechai Kedar, um professor de Literatura Árabe na Universidade de Bar-Ilan e antigo membro dos serviços secretos israelitas, invocou o seu conhecimento da mentalidade palestiniana para recomendar, num programa de rádio, a violação de mulheres palestinianas como forma de fazer pensar duas vezes os seus familiares que se sintam tentados a cometer atentados suicidas. O próprio entrevistador distanciou-se imediatamente do que acabava de ouvir.

As palavras exactas de Mordechai Kedar, citadas no site do Alternative Information Center  (AIC), de Jerusalém, são as seguintes: "A única coisa que pode deter um bombista suicida é saber que, em caso de captura [de quem? - a tradução inglesa não é clara], a sua irmã ou a sua mãe serão violadas".

E explicou também que "é a cultura" e que "isto é o Médio Oriente", acrescentando ainda que "não falei do que fazemos ou deixamos de fazer. Falo sobre a realidade: a única coisa que pode travar um bombista suicida é ele saber que, se aperta o gatilho, a sua irmã será violada".

O AIC fornece o link para o programa de rádio, em hebraico no programa diário intitulado Hakol Diburim, da Israel Radio Bet. O entrevistador, Yossi Hadar, reagiu à bombástica afirmação do entrevistado dizendo que "soa mal [...] Claro que não podemos tomar medidas dessas".

Kedar foi, durante 25 anos, um perito dos serviços secretos israelitas para os grupos islamitas. Hoje é investigador no "Centro Begin-Sadat para Estudos Estratégicos" na Universidade de Bar Ilan e director do centro "Israel Academia Monitor", que se dedica a policiar as opiniões menos conformistas de outros académicos. A Universidade de Bar Ilan é também aquela de onde veio Yigal Amir, o jovem de extrema-direita que matou Isaac Rabin.

Tópicos:

Gaza, Kedar, Palestina, mulher, suicida, violação, Israel,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.