Antigo responsável máximo pela segurança e espionagem no Tibete expulso do PC Chinês

| Mundo

Le Dake, antigo responsável máximo pela segurança e espionagem na Região Autónoma do Tibete, no sudoeste da China, foi expulso do Partido Comunista Chinês (PCC) por suspeitas de corrupção, avançou a agência oficial chinesa Xinhua.

Le, de 55 anos, é mais um alto quadro a ser expulso do PCC, desde a ascensão ao poder de Xi Jinping, que prometeu "combater tanto as moscas como os tigres", numa alusão aos altos quadros do partido que durante muito tempo pareciam agir com total impunidade.

O antigo responsável, que está a ser investigado desde junho por abuso de poder e por ter aceitado subornos, ocupava desde 2013 a vice-presidência da assembleia legislativa tibetana.

Entre 2004 e 2014, foi chefe do Departamento de Segurança do Estado no Tibete, estando encarregue da espionagem e gestão da polícia, durante um período sensível numa das regiões chinesas mais propícias ao separatismo.

 

 

Tópicos:

Autónoma, Xinhua Le,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.