Antigo responsável máximo pela segurança e espionagem no Tibete expulso do PC Chinês

| Mundo

Le Dake, antigo responsável máximo pela segurança e espionagem na Região Autónoma do Tibete, no sudoeste da China, foi expulso do Partido Comunista Chinês (PCC) por suspeitas de corrupção, avançou a agência oficial chinesa Xinhua.

Le, de 55 anos, é mais um alto quadro a ser expulso do PCC, desde a ascensão ao poder de Xi Jinping, que prometeu "combater tanto as moscas como os tigres", numa alusão aos altos quadros do partido que durante muito tempo pareciam agir com total impunidade.

O antigo responsável, que está a ser investigado desde junho por abuso de poder e por ter aceitado subornos, ocupava desde 2013 a vice-presidência da assembleia legislativa tibetana.

Entre 2004 e 2014, foi chefe do Departamento de Segurança do Estado no Tibete, estando encarregue da espionagem e gestão da polícia, durante um período sensível numa das regiões chinesas mais propícias ao separatismo.

 

 

Tópicos:

Autónoma, Xinhua Le,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.