Cerca de 48% dos israelitas apoia a reeleição de Netanyahu

| Mundo

Cerca de 48 por cento dos israelitas apoia a reeleição do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, nas legislativas antecipadas, revela uma sondagem hoje divulgada pelo jornal "Haaretz".

Netanyahu está, assim, muito à frente de Shelly Yacimovich, chefe do partido trabalhista, que conta apenas com 15 por cento das preferências dos eleitores.

Avigdor Lieberman, ministro dos Negócios Estrangeiros e chefe do partido Israel-Beiteinou (direita nacionalista), surge como o terceiro favorito dos israelitas para assumir a liderança do Governo, com nove por cento das intenções de voto, e Shaul Mofaz, líder do partido centrista Kadima, com seis por cento.

Nesta sondagem, realizada pelo Instituto Camille Fuchs junto de 513 pessoas representativas da população adulta de Israel e com uma margem de erro de 4,3 por cento, 22 por cento dos inquiridos disseram não ter opinião.

A coligação de direita liderada por Netanyahu apresentou na quarta-feira uma moção de dissolução do Parlamento, que será discutida na segunda-feira, tendo em vista a convocação de eleições legislativas antecipadas, possivelmente para 04 de setembro.

O líder da maioria parlamentar, Zeey Elkin, disse hoje, em declarações à rádio pública de Israel, que Netanyahu vai fixar a data definitiva das eleições no próximo domingo.

Tópicos:

Israel,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A Alemanha foi a votos com uma economia próspera. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

      Em entrevista exclusiva ao "Olhar o Mundo" aquele que já foi o mais novo primeiro-ministro da União Europeia (2014-2016) aconselha Portugal a apostar nas novas tecnologias e na juventude do país.

      O ímpeto independentista ganhou força, motivado pela crise e pelas divergências em relação ao Estatuto da Autonomia da Catalunha.