China vai multar 11 empresas tecnológicas por difusão de pornografia na Internet

| Mundo

O governo chinês anunciou que vai multar 11 empresas tecnológicas, incluindo os gigantes Tencent e Baidu, por difundirem pornografia, violência e jogos de apostas na Internet, informou a agência de notícias Xinhua.

Estes são os primeiros resultados da campanha contra a pornografia que o governo chinês levou a cabo entre abril e novembro para acabar com a prática de apresentar nas páginas de internet fotografias eróticas com o objetivo de aumentar as visitas e atrair publicidade.

O Ministério da Cultura chinês divulgou na terça-feira uma lista na qual figuram as empresas que serão multadas por "desafiarem os valores morais".

O Baidu, principal motor de buscas do país, conhecido como o "Google chinês", e a Tencent, proprietária das principais redes sociais da China, QQ e WeChat, assim como outras nove empresas, são acusados de divulgarem intencionalmente pornografia e de incluírem conteúdos violentos.

O subdiretor do departamento de mercado do Ministério da Cultura, Liu Qiang, disse, em declarações à Xinhua, que o Governo chinês está a planear criar uma lista negra com as empresas que violem as normas repetidamente para lhes impor sanções mais duras.

A China lança regularmente campanhas contra a pornografia, já que o Partido Comunista chinês considera esta prática uma "grave ofensa moral".

Tópicos:

Tencent,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevista exclusiva de Rui Rio à editora de política da RTP Luísa Bastos.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.