Chipre recusa condições de resgate da troika

| Mundo

|

O presidente cipriota, Demetris Christofias, foi extremamente categórico ao recusar as condições colocadas pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional para a concessão da ajuda internacional: "Está fora de questão eu assinar um memorando [com tais condições]".

As condições a que se referia Christofias eram o fim da indexação dos salários à inflação e a privatização de organismos públicos. Segundo citação da Agência France Presse, Christofias afirmou também: "O objectivo de uma tal medida é de favorecer o capital privado, não se pode fazê-lo".

Falando à televisão pública grega, Net, o presidente cipriota acrescentou ainda, referindo-se ao caso da Grécia, que "este método neo-liberal fracassou (...) ele cria um círculo vicioso".

Christofios sublinhou contudo que a sua recusa das condições internacionais não constituía uma recusa do diálogo: "Não lhes dizemos apenas que não, nós fazemos-lhes contrapropostas, que estamos em vias de concluir".

A informação mais vista

+ Em Foco

Mira Amaral considera que nacionalizar o Novo Banco seria um tremendo disparate, até porque o Estado já vai ter dificuldades em aumentar o capital na Caixa Geral de Depósitos.

A organização do Festival da Canção criou um documento “não exaustivo” de exemplos de bandeiras que não são aceites no concurso - nove ao todo, entre estas a bandeira basca.

    Cinco homens, quatro mulheres, nove candidatos à posição de secretário-geral da Organização das Nações Unidas. Incluindo o antigo primeiro-ministro português António Guterres.

      Completam-se agora 100 anos sobre o início da beligerância portuguesa. Uma data assinalada pela RTP com a publicação online dos seus mais significativos materiais de arquivo sobre o tema.