CPLP quer participar em força multinacional

| Mundo

O chefe da diplomacia angolana defendeu hoje, em nome da CPLP, uma "força de estabilização" multinacional para a Guiné-Bissau, com mandato do Conselho de Segurança da ONU e com a participação de efetivos da organização lusófona.

Em intervenção no Conselho de Segurança da ONU, em Nova Iorque, Georges Chicoti, ministro das Relações Exteriores de Angola, que detém a presidência rotativa da Comunidade dos Países de Língua portuguesa (CPLP), afirmou que a organização lusófona e os seus estados-membros estão "prontos para dar uma contribuição efetiva" para o envio da força multinacional.

A organização considera esta é "a opção que melhor poderá compatibilizar os esforços que estão a ser desenvolvidos para a regularização da crise, que oferece melhores de garantias êxito pelo seu caráter abrangente, de solução multilateral, aquela que melhor dá garantias a todas as forças politicas e sociais na Guiné-Bissau", adiantou.

Tópicos:

CPLP, Guiné Bissau,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em Orlando, Donald Trump apresentou-se como vítima do jornalismo “fake” e insistiu no ataque à imigração ilegal.

Ján Kuciak e Martina Kusnírová foram encontrados mortos em casa, perto de Bratislava, a 26 de fevereiro de 2018.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.