Discurso de Eduardo dos Santos ao MPLA omite sucessão

| Mundo

José Eduardo dos Santos é chefe de Estado de Angola desde 1979
|

Segundo a edição online do Expresso, um documento submetido à reunião do Comité Central do MPLA confirmaria a indicação de João Lourenço, atual ministro da Defesa, como candidato às presidenciais de 2017. Mas no discurso proferido esta sexta-feira, em Luanda, José Eduardo dos Santos nada disse sobre a sucessão.

"O nosso objetivo é ganhar as eleições com maioria qualificada ou no mínimo maioria absoluta. O segredo estará na disciplina, na união e coesão de todos em torno dos nossos candidatos, quer no processo da campanha eleitoral quer no momento da votação", declarou José Eduardo dos Santos durante o discurso desta manhã.

Paulo Catarro, correspondente da RTP em Angola, acompanha a reunião ordinária do MPLA em Luanda e refere que se especulou muito sobre se José Eduardo dos Santos anunciaria esta sexta-feira qual seria a sua sucessão no partido.


No entanto, o Presidente angolano fez um discurso "muito breve", o que pode significar que ainda falta afinar "pormenores" com o próprio Comité Central.

Apesar da expectativa lançada há alguns meses sobre a eventual saída do poder, o Presidente angolano voltou a não clarificar se vai ou não encabeçar a lista às eleições gerais de 2017.

O jornal Expresso avançou na edição online que Eduardo dos Santos apresentou, pela primeira vez em documento escrito, o nome do sucessor por si escolhido.
 
Tal decisão iria ao encontro da intenção manifestada em março deste ano, durante a anterior reunião do Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

"Em 2012, em eleições gerais, fui eleito Presidente da República e empossado para cumprir um mandato que nos termos da Constituição da República termina em 2017. Assim, eu tomei a decisão de deixar a vida política ativa em 2018", disse na altura.

Mas perante as notícias desta sexta-feira o secretário para a Informação do MPLA, Mário António, pede que se evite "cair em especulações", que apenas visam criar instabilidade em Angola.

"Uma figura consensual"
O Presidente angolano já tinha manifestado noutras ocasiões a intenção de sair, mas nunca chegou ao ponto de nomear um sucessor.

Na reunião do MPLA em agosto, Eduardo dos Santos foi reeleito líder do partido mas terá iniciado a transição de poder, ao nomear João Lourenço para a vice-presidência partidária. 

O politólogo angolano Alberto Cafussa disse à RDP África que João Lourenço é "uma figura consensual" dentro do MPLA.

Cafussa diz que o partido se encontra numa fase de "transição geracional" e precisa de encontrar "alguém que mantenha a coesão".Quatro décadas no poder
José Eduardo dos Santos poderá assim abandonar a vida política ativa após 37 anos de liderança do país africano.

Além de Presidente, ocupou também o cargo máximo de liderança do MPLA, o partido no poder deste a independência de Angola.

Eduardo dos Santos sucedeu a Agostinho Neto em 1979, com o primeiro Presidente angolano a morrer poucos anos após a eclosão da guerra civil, vítima de um cancro no fígado.

Tópicos:

Angola, MPLA, José Eduardo dos Santos,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.