Discurso de Eduardo dos Santos ao MPLA omite sucessão

| Mundo

José Eduardo dos Santos é chefe de Estado de Angola desde 1979
|

Segundo a edição online do Expresso, um documento submetido à reunião do Comité Central do MPLA confirmaria a indicação de João Lourenço, atual ministro da Defesa, como candidato às presidenciais de 2017. Mas no discurso proferido esta sexta-feira, em Luanda, José Eduardo dos Santos nada disse sobre a sucessão.

"O nosso objetivo é ganhar as eleições com maioria qualificada ou no mínimo maioria absoluta. O segredo estará na disciplina, na união e coesão de todos em torno dos nossos candidatos, quer no processo da campanha eleitoral quer no momento da votação", declarou José Eduardo dos Santos durante o discurso desta manhã.

Paulo Catarro, correspondente da RTP em Angola, acompanha a reunião ordinária do MPLA em Luanda e refere que se especulou muito sobre se José Eduardo dos Santos anunciaria esta sexta-feira qual seria a sua sucessão no partido.


No entanto, o Presidente angolano fez um discurso "muito breve", o que pode significar que ainda falta afinar "pormenores" com o próprio Comité Central.

Apesar da expectativa lançada há alguns meses sobre a eventual saída do poder, o Presidente angolano voltou a não clarificar se vai ou não encabeçar a lista às eleições gerais de 2017.

O jornal Expresso avançou na edição online que Eduardo dos Santos apresentou, pela primeira vez em documento escrito, o nome do sucessor por si escolhido.
 
Tal decisão iria ao encontro da intenção manifestada em março deste ano, durante a anterior reunião do Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

"Em 2012, em eleições gerais, fui eleito Presidente da República e empossado para cumprir um mandato que nos termos da Constituição da República termina em 2017. Assim, eu tomei a decisão de deixar a vida política ativa em 2018", disse na altura.

Mas perante as notícias desta sexta-feira o secretário para a Informação do MPLA, Mário António, pede que se evite "cair em especulações", que apenas visam criar instabilidade em Angola.

"Uma figura consensual"
O Presidente angolano já tinha manifestado noutras ocasiões a intenção de sair, mas nunca chegou ao ponto de nomear um sucessor.

Na reunião do MPLA em agosto, Eduardo dos Santos foi reeleito líder do partido mas terá iniciado a transição de poder, ao nomear João Lourenço para a vice-presidência partidária. 

O politólogo angolano Alberto Cafussa disse à RDP África que João Lourenço é "uma figura consensual" dentro do MPLA.

Cafussa diz que o partido se encontra numa fase de "transição geracional" e precisa de encontrar "alguém que mantenha a coesão".Quatro décadas no poder
José Eduardo dos Santos poderá assim abandonar a vida política ativa após 37 anos de liderança do país africano.

Além de Presidente, ocupou também o cargo máximo de liderança do MPLA, o partido no poder deste a independência de Angola.

Eduardo dos Santos sucedeu a Agostinho Neto em 1979, com o primeiro Presidente angolano a morrer poucos anos após a eclosão da guerra civil, vítima de um cancro no fígado.

Tópicos:

Angola, MPLA, José Eduardo dos Santos,

A informação mais vista

+ Em Foco

O vinho e o queijo, a simpatia dos portugueses e o bom tempo. A ainda embaixatriz dos EUA só tem um defeito a apontar: a forma como os portugueses lidam com os erros. Kim Sawyer conta a sua história de vida à RTP.

    Em entrevista à Antena 1, o eurodeputado considera que a estabilidade pode ser minada pela polémica da TSU.

    Amir Ashour é o primeiro iraquiano a dar a cara pelos direitos gay no seu país. Em segurança na Suécia, revela à RTP episódios de tortura e de rejeição.

      O antigo Presidente da República morreu aos 92 anos. Recordamos aqui os principais momentos de uma figura incontornável da História de Portugal.