Equipa de Samaras nem deixou sabonetes nas casas de banho

| Mundo

Tsipras, ao instalar-se na sede do Governo
|

O primeiro ministro cessante e a sua equipa levaram tudo o que puderam. Aquilo que tiveram de deixar, ficou armadilhado.

Quem visita o site oficial do Governo grego às 16h30 GMT de terça feira, ainda encontra como primeiro ministro o conservador Antonis Samaras, embora Alexis Tsipras já tenha tomado posse, constituído Governo e nomeado todos os seus ministros. A explicação é simples: Samaras e a sua equipa partiram e levaram com eles as passwords do Governo, tal como levaram tudo o mais que puderam, inclusivamente, segundo a imprensa grega citada por Der Spiegel, os sabonetes das casas de banho.

A sede do Governo, situada no centro de Atenas, na "Villa Maximos", foi entregue ao novo executivo ontem, segunda feira. Mas, ao contrário do que é habitual, o primeiro ministro cessante não esteve presente para desejar as boas vindas e fazer a entrega ao seu sucessor.

Citado em Der Spiegel, um membro da equipa de Tsipras disse: "Andamos às escuras. Não temos internet, nem e-mails, nem a possibilidade de comunicar uns com os outros. Nunca aconteceu uma coisa assim". E acrescentou que "O sr. Samaras recebeu as pastas sem problemas, tudo funcionava. Ele não se comportou da mesma forma com o sr. Tsipras". Para esse colaborador próximo de Tsipras, a sabotagem praticada pelos vencidos das eleições de domingo mostra que "não têm noção de decência nem de como devem comportar-se".

Colaboradores de Samaras interprelados por aquela publicação alemã limitaram-se a comentar que a lei não obriga Samaras a dar as boas vindas ao seu sucessor.

Tópicos:

Grécia, Syriza, Tsipras, sabotagem, Samaras,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.