EUA consideram "passo positivo" decisão da China em abolir política do filho único

| Mundo

O governo norte-americano considerou que a decisão da China de abolir a política do filho único é "um passo positivo", acrescentando que espera que o país um dia exclua "por completo" os limites ao número de filhos por casal.

Os Estados Unidos opõem-se a "políticas coercivas de limitação da natalidade, incluindo práticas de aborto forçado e esterilização", explicou em conferência de imprensa o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

A China, nação mais populosa do mundo com 1.370 milhões de habitantes, decidiu na quinta-feira abolir a política de "um casal, um filho", pondo fim a um rígido controlo da natalidade que durava desde 1980.

Todos os casais serão autorizados a ter dois filhos, alargando a decisão tomada em 2013, que permitia apenas aos casais em que ambos os cônjuges são filhos únicos ter um segundo filho.

A medida foi anunciada após uma reunião de quatro dias à porta fechada entre o Comité Central do Partido Comunista Chinês (PCC), a cúpula do poder na China, e que serviu para delinear as prioridades do 13.º plano quinquenal (2016-2020).

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.