EUA consideram "passo positivo" decisão da China em abolir política do filho único

| Mundo

O governo norte-americano considerou que a decisão da China de abolir a política do filho único é "um passo positivo", acrescentando que espera que o país um dia exclua "por completo" os limites ao número de filhos por casal.

Os Estados Unidos opõem-se a "políticas coercivas de limitação da natalidade, incluindo práticas de aborto forçado e esterilização", explicou em conferência de imprensa o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

A China, nação mais populosa do mundo com 1.370 milhões de habitantes, decidiu na quinta-feira abolir a política de "um casal, um filho", pondo fim a um rígido controlo da natalidade que durava desde 1980.

Todos os casais serão autorizados a ter dois filhos, alargando a decisão tomada em 2013, que permitia apenas aos casais em que ambos os cônjuges são filhos únicos ter um segundo filho.

A medida foi anunciada após uma reunião de quatro dias à porta fechada entre o Comité Central do Partido Comunista Chinês (PCC), a cúpula do poder na China, e que serviu para delinear as prioridades do 13.º plano quinquenal (2016-2020).

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    Em entrevista exclusiva à RTP, Flávio, um dos filhos de Jair Bolsonaro, afirmou que o candidato do PT Fernando Haddad devia juntar-se a Lula da Silva.

    Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

      Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.