Êxito ou fracasso em Marte?

| Mundo
Êxito ou fracasso em Marte?

A ver: Êxito ou fracasso em Marte?

A Europa e a Rússia colocaram uma sonda na órbita de Marte e terá já chegado à superfície do planeta um módulo de investigação.
Sabe-se que chegou, mas ainda é cedo para perceber se a missão está a ter sucesso.
No Jornal 2 Miguel Gonçalves recorda a importância o evento e explica porque só amanhã estará a Agência Espacial Europeia (ESA) em condições de confirmar se seis minutos de "amartagem" resultaram em êxito ou fracasso de nove meses de missão.

Há boas notícias sobre a sonda Trace Gas Orbiter - está na órbita de Marte.

Pelas 4 da tarde, hora portuguesa, chegava a confirmação de que o módulo Schiaparelli entrava na atmosfera marciana, a uma velocidade de 21 mil quilómetros por hora. Tudo indica que aterrou, resta saber se em boas condições.

Perdeu-se o sinal do Schiaparelli, a esperança reside agora nos dados do Orbiter da NASA.

A sua missão é de peso, se tudo correr como o previsto nos próximos dias vai fazer medições sobre a temperatura, a pressão, e o vento em marte.

Alimentado por baterias tem um tempo máximo de vida de uma semana, mas os cientistas da ESA acreditam que será o tempo suficiente.

Esta é a primeira etapa da missão Exomars, desenvolvida pela Agência Espacial Europeia e a Rússia. Nos próximos 4 anos outras missões conjuntas se seguirão sempre com o objetivo de tentar saber se há, ou houve, vida no planeta vermelho.

A informação mais vista

+ Em Foco

A União Europeia está ameaçada e tem de voltar à sua génese para se fortalecer e recuperar influência na cena mundial. Ou arrisca-se a perder o comboio do desenvolvimento e a desmembrar-se em pouco tempo.

    Num contexto de retorno do medo ao Reino Unido, a diplomata britânica Kirsty Hayes aponta a importância de todos os habitantes de Londres estarem unidos.

    Foram mais de três horas de debate a cinco mas sem grandes novidades. Le Pen defendeu o fim da imigração. Macron foi atacado pelas ligações à banca.

    Estarão os nossos equipamentos comprometidos? O especialista em cibersegurança Pedro Queirós alerta para um problema "assustador".