Força Aérea israelita bombardeia alvos sírios

| Mundo

Ruínas deixadas por um anterior bombardeamento israelita na Síria
|

Aviões israelitas bombardearam hoje dois alvos próximo da capital síria, uma posição do Exército de Assad e outra do Hezbollah.

A Força Aérea israelita não confirmou nem desmentiu a notícia, mas esta é dada como certa pelo diário Jerusalem Post, que cita a televisão síria e o jornal Rai al-Youm, baseado em Londres, para referir que um dos alvos era uma caravana de veículos transportando armas do Hezbollah e o outro um arsenal do 4º Batalhão do Exército sírio.

Segundo as agências noticiosas sírias, a Força Aérea israelita atravessou o espaço aéreo libanês e desferiu os seus ataques na madrugada de hoje, na cidade de Ass'saboura, próximo de Damasco.

Admite-se que o percurso feito a sobrevoar o Líbano resultasse da preocupação israelita de evitar os sistemas de defesa antiaérea russos S-300 e S-400, que têm limitado consideravelmente a liberdade de movimentos da Força Aérea israelita.

Também a televisão Al Maydeen, do Hezbollah, confirmou os bombardeamentos, explicando-os como uma tentativa de Israel para intervir na guerra civil síria a favor de "organizações terroristas" e para minorar a dimensão da derrota que essas organizações vêm sofrendo perante o Exército sírio.

Contudo, é certo que no início desta semana jactos israelitas bombardearam também uma posição do "Estado Islâmico" em território sírio, causando quatro mortos nessa posição.

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.