Governo grego com nova proposta consegue mais tempo sobre os credores

| Grécia - Dias decisivos
Governo grego com nova proposta consegue mais tempo sobre os credores

Foto: Yannis Behrakis, Reuters

A Grécia aceitou um acordo de princípio de extensão do seu programa de resgate financeiro que expira no fim deste mês, enquanto se trabalha numa solução de longo prazo para a dívida. Um debate a ouvir conduzido pela Jornalista da Antena 1, Cristina Santos.

A Grécia em debate na Antena 1, com Bernardo Pires de Lima, especialista em relações internacionais, Nicolau Santos, comentador da antena 1 para a área da economia e Elias Soukiazis, professor grego na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Um debate conduzido pela jornalista Cristina Santos, onde se discute como é que a Grécia está a gerir mais uma vez, uma crise financeira que pode levar os gregos á bancarrota e levar o pais helénico para fora da moeda única.

Alexis Tsipras aceita novos cortes e novas medidas de austeridade com os parceiros gregos e com estas novas medidas conseguiu mais tempo dos credores e também com Bruxelas.

Um acordo e uma proposta que os comentadores admitem ser uma vitória dos governo grego.

Mas para estas novas propostas do Syriza irem avante, Tsipras precisa de apoio maioritário do parlamento grego.

Os lideres do Eurogrupo aceitaram uma extensão do programa como a única forma de avançar sem ferir de morte a crise grega.
Os membros do Eurogrupo apesar de mais esta folga, dizem que o futuro da Grécia na moeda única ainda não está assegurado.

O atual programa de resgate foi acordado com a União Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2012 e prolongado duas vezes -- em dezembro e novamente em fevereiro deste ano por quatro meses, até ao final de junho.

A Grécia tem tido de aceitar duras medidas de austeridade em troca dos fundos de resgate, mas o Governo de esquerda de Alexis Tsipras, eleito em janeiro, tem resistido a adotar mais medidas impopulares para receber a última prestação de 7,2 mil milhões de euros do atual programa.

Sem esse dinheiro, a Grécia poderá não conseguir efetuar o reembolso de 1,5 mil milhões de euros ao FMI a 30 de junho, arriscando-se a entrar em incumprimento e a uma possível saída do Eurogrupo.

Entretanto o Banco Central Europeu (BCE) voltou hoje a elevar a liquidez de urgência aos bancos gregos, disse uma fonte financeira grega à agência de notícias francesa AFP.

O montante do aumento de liquidez não foi avançado. Desde a passada quarta-feira é a quarta-vez que a instituição liderada por Mário Draghi atua para resolver os problemas de liquidez da banca grega, a braços com levantamentos em massa de dinheiro pelos cidadãos helénicos, preocupados com uma eventual saída do euro.

A decisão do BCE acontece um dia depois de o Conselho Europeu extraordinário de Bruxelas ter adiado a celebração de um acordo quanto ás reformas a adotar pela Grécia, de modo a garantir o financiamento e evitar entrar em ´default´.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.