Hezbollah condena atentado de Paris

| Mundo

|

O dirigente chiita libanês Sayyed Hassan Nasrallah condenou em termos invulgarmente duros o atentado contra o semanário satírico "Charlie Hebdo". Segundo Nasrallah, este tipo de atentados prejudica mais o Islão do que qualquer caricatura.

O líder do Hezbollah, citado pela agência Reuters, afirmou que os "terroristas takfiri" (apóstatas ou renegados) ofendem o Islão "ainda mais do que aqueles que atacaram o mensageiro de Deus [Maomé] com livros retratando o profeta ou fazendo filmes retratando o profeta ou desenhando cartoons do profeta".

O Hezbollah encontra-se na lista oficial norte-americana de organizações terroristas, mas tem estado a combater o "Estado Islâmico" (ISIS) em aliança aberta com o regime sírio de Bashar al-Assad e em tácita colaboração com as forças norte-americanas que têm vindo a bombardear o ISIS.

O discurso de Nasrallah foi exibido perante apoiantes do Hezbollah por meio de uma gravação em vídeo, em comemorações do aniversário de Maomé nos arredores de Beirute (na foto).

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.