Homem mais rico da China admite ligação a cunhado do Presidente chinês

| Mundo

O cunhado do Presidente chinês, Xi Jinping, detinha ações numa empresa controlada pelo homem mais rico do país, Wang Jianlin, segundo confirmou o último, após alegações de que vínculos políticos terão ajudado o grupo Wanda a expandir-se.

A declaração de Wang surge numa altura em que a persistente campanha anticorrupção, lançada por Xi, em 2012, resultou na queda de dezenas de quadros dirigentes com a categoria de vice-ministro ou superior.

Uma empresa de investimento detida pelo cunhado de Xi, Deng Jiagui, comprou, em 2000, ações numa subsidiária da Wanda, que negoceia propriedade comercial, admitiu Wang em comunicado.

Deng terá depois vendido as ações "a um preço baixo", dois meses após a Wanda ter feito uma oferta pública inicial de milhares de milhões de dólares na bolsa de Hong Kong, em dezembro de 2014.

"Ele sacrificou a oportunidade de alcançar um grande retorno do investimento", disse Wang.

"Isto demonstra que o Presidente Xi não só é rigoroso a gerir o nosso país, mas é ainda mais escrupuloso no que toca a assuntos familiares".

Os comentários foram feitos na sequência da publicação de um artigo no jornal norte-americano New York Times, alegando que amigos e familiares dos líderes chineses investiram mais de mil milhões de dólares em propriedade comercial e companhias de cinema geridas pela Wanda.

Além de ser o homem mais rico da China, com uma fortuna avaliada em 24.200 milhões de dólares, Wang Jianlin é também membro do Partido Comunista Chinês.

Tópicos:

Xi Deng Jiagui,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.