Homem mais rico da China admite ligação a cunhado do Presidente chinês

| Mundo

O cunhado do Presidente chinês, Xi Jinping, detinha ações numa empresa controlada pelo homem mais rico do país, Wang Jianlin, segundo confirmou o último, após alegações de que vínculos políticos terão ajudado o grupo Wanda a expandir-se.

A declaração de Wang surge numa altura em que a persistente campanha anticorrupção, lançada por Xi, em 2012, resultou na queda de dezenas de quadros dirigentes com a categoria de vice-ministro ou superior.

Uma empresa de investimento detida pelo cunhado de Xi, Deng Jiagui, comprou, em 2000, ações numa subsidiária da Wanda, que negoceia propriedade comercial, admitiu Wang em comunicado.

Deng terá depois vendido as ações "a um preço baixo", dois meses após a Wanda ter feito uma oferta pública inicial de milhares de milhões de dólares na bolsa de Hong Kong, em dezembro de 2014.

"Ele sacrificou a oportunidade de alcançar um grande retorno do investimento", disse Wang.

"Isto demonstra que o Presidente Xi não só é rigoroso a gerir o nosso país, mas é ainda mais escrupuloso no que toca a assuntos familiares".

Os comentários foram feitos na sequência da publicação de um artigo no jornal norte-americano New York Times, alegando que amigos e familiares dos líderes chineses investiram mais de mil milhões de dólares em propriedade comercial e companhias de cinema geridas pela Wanda.

Além de ser o homem mais rico da China, com uma fortuna avaliada em 24.200 milhões de dólares, Wang Jianlin é também membro do Partido Comunista Chinês.

Tópicos:

Xi Deng Jiagui,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.