Inteligência artificial "pode acabar" com humanos diz cientista Stephen Hawking

| Mundo

O astrofísico britânico Stephen Hawking afirmou que o desenvolvimento da inteligência artificial poderá significar o fim da humanidade.

Em entrevista à BBC, o cientista, que está completamente paralisado devido a uma esclerose lateral amiotrófica, disse que esse tipo de tecnologia podia evoluir rapidamente e ultrapassar a humanidade, um cenário semelhante ao apresentado em filmes como "O Exterminador do Futuro".

"As formas primitivas de inteligência artificial que temos já se mostraram muito úteis. Mas eu penso que o desenvolvimento de uma inteligência artificial completa poderia acabar com a raça humana", disse o astrofísico que fala mediante a ajuda de um computador e se move numa cadeira de rodas.

O professor acrescentou que, "assim que os humanos desenvolverem a inteligência artificial, esta iria descolar sozinha, e redefinir-se cada vez mais rápido".

"Os humanos, limitados por uma lenta evolução biológica, não seriam capazes de competir e seriam ultrapassados", continuou Hawking, considerado um dos cientistas vivos mais brilhantes.

Hawking é favorável às novas tecnologias de comunicação e disse ter sido um dos primeiros a estar "conectado" no início da Internet.

Para o cientista, a Internet trouxe perigos e benefícios, citando um aviso do novo chefe da agência de espionagem britânica GCHQ, que disse que a Internet tornou-se um centro de comando para os criminosos e terroristas.

"As empresas de Internet precisam fazer mais para combater a ameaça, mas o desafio é fazer isso sem sacrificar a liberdade e privacidade", argumentou o astrofísico de 72 anos de idade.

Stephen Hawking disse na terça-feira que o seu sistema de comunicação, melhorado pelo grupo norte-americano Intel, estará disponível gratuitamente para a comunidade científica em janeiro.

Congratulando-se com os avanços, o cientista disse não querer mudar a sua voz robótica, que vem de um sintetizador originalmente projetado para um serviço telefónico.

"Esta voz é muito clara, embora um pouco robótica. Tornou-se a minha marca e eu não mudar para uma voz mais natural com um sotaque britânico", disse à BBC. "Aparentemente, as crianças que precisam de uma voz artificial querem uma como a minha", afirmou.

Tópicos:

Stephen Hawking,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.