Jovens estão na linha da frente para continuar Timor-Leste diz Presidente no 22º aniversário do massacre de Sta Cruz

| Mundo

O Presidente de Timor-Leste, Taur Matan Ruak, afirmou, numa mensagem divulgada por ocasião do Dia Nacional da Juventude, que hoje se celebra, que os jovens estão na linha da frente para continuarem a construção do país.

"Vocês jovens estão na linha da frente para continuarem com a independência", referiu o chefe de Estado timorense na mesma mensagem, por ocasião do Dia da Juventude, que assinala também o 22.º aniversário do massacre de Santa Cruz.

"Hoje, peço-vos para participarem para o bem comum dos cidadãos. A nossa missão ainda não acabou. Como no passado estivemos juntos, hoje temos de continuar para alcançar o nosso sonho", realçou.

A 12 de novembro de 1991 mais de duas mil pessoas reuniram-se numa marcha até ao cemitério de Santa Cruz, em Díli, para prestarem homenagem ao jovem Sebastião Gomes, morto em outubro do mesmo ano por elementos ligados às forças indonésias.

No cemitério, militares indonésios abriram fogo sobre a multidão.

Segundo números do Comité 12 de novembro, 2.261 pessoas participaram na manifestação, 74 foram identificadas como tendo morrido no local e 127 morreram nos dias seguintes no hospital militar ou em resultado da perseguição das forças ocupantes.

A maior parte dos corpos continua em parte incerta.

Tópicos:

Cruz, Sebastião, Timor Leste Taur Matan Ruak,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A deriva independentista do nacionalismo catalão está a revelar-se mais grave do que Madrid previa inicialmente. Temos posições que não permitem qualquer margem para diálogo e que conduziram o processo a um impasse.

    Um ensaio do LNEC e do Instituto Superior Técnico, no âmbito do KnowRisk, evidencia a importância da tomada de medidas preventivas. Veja os vídeos e compare os dois casos.

    A Alemanha aproxima-se da data do escrutínio de 24 de Setembro com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.