Juízes e promotores protestam contra projeto de lei de abuso de poder

| Mundo

Juízes e promotores brasileiros protestaram quinta-feira contra um projeto de lei anticorrupção aprovado pela Câmara dos Deputados, que inclui a hipótese de punição de magistrados e membros do Ministério Público por crime de abuso de autoridade.

Cerca de 400 pessoas reuniram-se em protesto junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, segundo a organização citada pela imprensa brasileira.

As imagens mostram os magistrados de mãos dadas em volta do edifício do STF.

"Eles [Congresso Nacional] estão querendo tirar a independência dos magistrados e dos promotores, que estão cada vez mais atuantes no combate à corrupção", disse o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Roberto Veloso, citado pelo jornal O Globo.

Os manifestantes entregaram uma carta à presidente do STF, Carmen Lúcia, na qual afirmam que a classe política está a "retaliar a magistratura e o Ministério Público" e pedem resistência.

Para além de Brasília, também houve protestos em cidades nos estados de Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo, onde foram lidas várias notas de repúdio ao projeto, de acordo com o portal de notícias G1.

Houve ainda um ato denominado "minuto de silêncio pela democracia", protagonizado por juízes e funcionários do Ministério Público em frente ao Tribunal de Justiça de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

O texto em causa, aprovado pela Câmara dos Deputados na madrugada de quarta-feira, ainda será votado no Senado, passando depois pela sanção do Presidente da República.

Tópicos:

STF,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.