Marine Le Pen venceria primeira volta das presidenciais francesas

| Mundo

|

Depois de ter vencido as eleições europeias, no passado mês de Maio, a presidente da Frente Nacional seria a vencedora da primeira volta nas eleições presidenciais francesas. Uma sondagem do instituto francês Ifop refere mesmo que Le Pen venceria um possível confronto direto com François Hollande, na segunda volta.

Se as eleições presidenciais francesas fossem no próximo domingo, Marine Le Pen venceria a primeira volta. Segundo uma sondagem divulgada esta sexta-feira, pelo jornal francês Le Figaro, Le Pen reúne entre 28 e 32 por cento das intenções de voto dos eleitores franceses para as presidenciais de 2017.

A amplitude da vitória varia consoante o candidato que a União para o Movimento Popular (UMP), partido a que pertence o ex-presidente Nicolas Sarkozy, selecionar nas próximas eleições primárias. A sondagem do instituto Ifop considerou três candidatos: Alain Juppé, presidente da Câmara Municipal de Bordéus e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e François Fillon, o primeiro-ministro francês durante a presidência de Sarkozy. O Ifop considera também um possível regresso de Nicolas Sarkozy, tema bastante falado em França mas ainda não confirmado pelo ex-presidente francês.

Seja qual for o candidato, a UMP ocupa o segundo lugar na sondagem hoje divulgada. O partido reúne entre 17% e 25% das intenções de voto, para a primeira volta. A candidatura de Sarkozy iria conseguir mais votos (25%), seguida de Juppé (24%) e François Fillon (17%). O atual presidente francês, François Hollande, não passaria à segunda volta. Reúne entre 16 e 17% das intenções de voto, ocupando o terceiro lugar. Em quarto lugar, ficaria o centrista François Bayrou, presidente do MODEM. O candidato reúne entre 11 e 14% das intenções de voto, seguido de Jean-Luc Mélenchon, da Frente de Esquerda, com dez por cento.

Hollande perderia segunda volta com Le Pen

Para Thomas Wieder, editor de Política no jornal Le Monde não está só em jogo a reeleição de Hollande em 2017, mas a sua própria capacidade em ser o candidato do Partido Socialista francês.

A sondagem agora divulgada traça ainda diferentes cenários para uma segunda volta. Segundo a mesma, dificilmente Le Pen ganharia a eleição. Qualquer um dos três candidatos da UMP venceria a presidente da Frente Nacional, mas o mesmo já não acontece com François Hollande. Num possível confronto direto com o atual presidente, Le Pen concentra 54% das intenções de voto.

O mau resultado obtido nesta sondagem pelo presidente francês segue as recentes notícias sobre a sua impopularidade. A sua quota de popularidade é de apenas 13%, um mínimo histórico para um presidente francês. Em 2012, no início do seu mandato, a sua quota atingia os 55%. A pouca eficiência da sua política económica e falta de coesão no governo, que conduziu a uma recente remodelação governamental, têm contribuindo para estes resultados.

Nesta semana, o presidente foi ainda afetado pela recente polémica provocada pela publicação do livro da sua ex-companheira. No seu livro, considerado por muitos como vingativo, Valérie Trierweiller aborda a traição do presidente francês, mas vai mais longe: afirma que o presidente despreza os pobres, vive na negação e é um homem desprovido de afetos.

Quanto aos candidatos da UMP, Alain Juppé conseguiria o melhor resultado na segunda volta, ao vencer Marine Le Pen com 64% dos votos. Nicolas Sarkozy reúne 60% das intenções de voto e François Fillon teria o voto de 57% dos franceses na segunda volta.

Tópicos:

França, François Hollande, Marine Le Pen, Mundo, Política,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.