Mexicano que esteve mais de um ano à deriva no mar socorrido nas Ilhas Marshall

| Mundo

As autoridades das Ilhas Marshall irão transferir para Majuro, a capital do país do Pacífico Sul, um pescador mexicano que garante ter passado mais de um ano à deriva, revelou a imprensa local.

O homem, identificado como José Iván, terá zarpado do México no final de 2012 numa expedição de pesca de tubarões em El Salvador, junto com um companheiro que, alegadamente, morreu há uns meses em alto mar.

O barco de José Iván, de sete metros, foi rebocado quinta-feira até um recife perto do atol de Ebon, nas Ilhas Marshall, onde os habitantes experimentaram algumas dificuldades em falar com o pescador que apenas domina o espanhol.

O diretor do Marshall Islands Journal, Giff Johnson, disse à cadeia australiana ABC que os residentes de Ebon relataram que o "náufrago estava com uns calções já muito gastos e que o barco parecia ter estado na água por muito tempo".

O mexicano, que ao chegar a terra tinha a aparência de um "desnutrido", disse que sobreviveu todo o tempo bebendo sangue de tartaruga quando faltava a água da chuva e comendo tartarugas, aves e peixes que caçava com as mãos.

As autoridades das Ilhas Marshall enviaram uma embarcação para transferir o pescador e, mais tarde, entrarão em contacto com as autoridades mexicanas.

Tópicos:

Ebon Ilhas, Pacífico,

A informação mais vista

+ Em Foco

Ao longo desta semana, há vozes com sotaque de Nações Unidas para ouvir na Antena 1 e no site da RTP. Testemunhos de estrangeiros em Portugal recolhidos a poucos dias de António Guterres assumir a liderança da ONU.

    Nos caminhos que levam a Mossul, no Iraque, cruza-se a vontade de conquista e a desesperança dos que fogem da guerra. A Antena 1 nos territórios que já foram do Estado Islâmico. «Iraque: os dias do desespero» reportagem de José Manuel Rosendo.

      Imagine que a boneca ou o robô que comprou para os seus filhos está a transmitir, via áudio, tudo o que se passa lá em casa. E esse não é o maior perigo.

        Nasceu em 1951 e já foi um local com uma vida própria e entusiasmante nos arredores de Cascais. Ao longo dos anos, o Edifício Cruzeiro foi-se degradando. Agora terá nova vida.